Skip to main content


                         A  ÓPERA  FOI À  TOURADA

(Nota: este texto, escrito em 14Jun96, foi publicado no "Comércio da Póvoa", em 18.07.1996)

     Segui, ansioso, e tanto quanto me foi possível, a azáfama dos operários em redor da decrépita Praça de Touros. Com paciência e carinho eliminaram eles os amontoados de terra, cavaram o terreno para prepararem plataformas amplas, lisas e bem desenhadas, aptas para o escoamento rápido das chuvas nos tempos invernosos. Lentamente e com arte burilaram as pedras grandes de granito a formarem uma ala larga, provavelmente para a entrada das pessoas em massa. Por último, vi nascer a relva verde a alindar o local e as árvores a crescerem, prometedoras de sombras.
     Finalmente! Dera-se início, começando pelo arranjo exterior, à tão desejada transformação da Praça. Isto pensei eu, mas talvez me tenha enganado. E como confesso desconhecer os planos urbanísticos para aquela área (e devia conhecê-los), não sei se, vendo passar o tempo, deva acreditar que "aquilo" é para ser mantido assim, a bem da riqueza do nosso património: num futuro mais ou menos próximo teremos ruínas no centro da cidade.
     Devo também acreditar - e sinceramente acredito - que aquela infraestrutura vai ser reparada e modificada para utilização de gente imensa, de todas as idades e amante de actividades diversas. Oxalá!

     Há muitos anos (como o tempo passa!), e lembrando-me do pouco uso que era dado à Praça de Touros, imaginei-a transformada num pequeno "Madison Square Garden" (na altura estava nos Estados Unidos, e daí a lembrança); agora, reduzidos os horizontes da nossa imaginação, poderíamos muito bem baptizá-la com um nome português e poveiro, mas dar-lhe, de igual modo, uma finalidade polivalente (desportiva, musical, cultural, etc.).
     Para tantas ideias existem em abundância soluções técnicas fáceis que tornam esta empresa viável e rentável. Vale a pena o esforço.

     A ópera "Aida" esteve em Bruxelas durante três dias, fora larga e antecipadamente anunciada, e as lotações esgotaram-se. Os bilhetes foram adquiridos com a maior das facilidades (por correio), mercê duma organização experimentada. O local, diferente do habitual, seria desta vez num dos doze pavilhões do Parque de Exposições da capital belga. Duvidei, por conhecê-los bem, que tivessem a possibilidade de se adaptarem a um tal tipo de espectáculo, mas enganei-me: o interior, usualmente oco, fora facilmente transformado numa enorme sala de espectáculos recorrendo-se à montagem de bancadas e à delimitação dum palco amplo, como exigia a clássica representação; de facto, se não se conhecesse o recinto, não se duvidaria ser aquela sala enorme uma estrutura permanente com plateia, balcões, etc., alindada com passadeiras, e os milhares de lugares  (cadeiras) devidamente numerados; importa ainda notar que as condições acústicas não foram esquecidas, e os técnicos tiveram oportunidade de porem à prova as suas capacidades.
     Enfim, uma grande beleza no meio de tanta simplicidade!

 (Um àparte que considero interessante, fruto também de boa organização: junto ao pavilhão fora demarcado um parque de estacionamento com capacidade para todos os espectadores, e ao qual tinham acesso apenas os carros cujos utentes apresentassem os bilhetes de ingresso).

     Como sempre, também nesse caso, imaginei naquele dia a nossa poveira praça de touros preparada para apresentar, com dignidade e simplicidade, um espectáculo de uma categoria semelhante. Quando será isso possível?

Comments

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…