Skip to main content


                                      A ILEGALIDADE


     Portugal é uma República.

     A República Portuguesa é um Estado de Direito Democrático, diz o Artº 2º da Constituição, construído na base de diversos princípios, de entre os quais se salienta a "separação e interdependência de poderes, visando a realização da democracia económica, social e cultural e o aprofundamento da democracia participativa".
     Já para não falar doutros, estes princípios não têm vindo a ser cumpridos: factos são factos!
     E assim sendo, a democracia que dizem ser o nosso sistema político, está ameaçada, por mais que o contrário se apregoe e isso nos custe.

     A Assembleia da República - o órgão legislativo onde é suposto estar o Povo representado - dá a entender que "o Estado se subordina à Constituição e funda-se na legalidade democrática" (nº 2º da CRP).
     A prática mostra, porém, que o Parlamento, regido por uma maioria negociada por interesses partidários, actua como "braço armado" do Governo para produzir leis que contrariam os mais básicos princípios da nossa democracia.
     Por um lado, "a validade das leis (...) depende da sua conformidade com a Constituição" (nº 3º do Artº 3º da CRP); ora, como se tem repetidamente visto, não é isso que acontece, sendo os casos mais relevantes os Orçamentos de Estado inconstitucionais e as posteriores medidas relacionadas que agravam ainda mais os artigos julgados como inconstitucionais (que passam incólumes!).
     Por outro lado, é constantemente ignorado, ou rejeitado, o princípio fundamental da nossa Constituição (Artº 1º): "Portugal é uma República soberana, baseada na dignidade da pessoa humana e na vontade popular e empenhada na construção de uma sociedade livre, justa e solidária.

     Muitas das leis que a mando e a gosto de uns tantos se produzem serão legais, apenas porque têm origem na Assembleia da República, mas serão ilegítimas porque na sua elaboração não se encontra fundamento democrático. É a ilegalidade...consentida!

     Portugal é um país democrático, europeu, onde a ilegalidade e a ilegitimidade políticas são consentidas.

Comments

Em Portugal legisla-se conforme os interesses de uns e de outros "poderosos", de quem dá mais, dos lobbies...

Ora isto de democrático nada tem, porque o povo fica de fora.

Não gosto deste tipo de governação. Não gosto destes falsos governantes. Não gosto desta falsa democracia.
Absolutamente de acordo, e quanto aos três parágrafos.
No tempo da ditadura respeitavam-se as leis (algumas poderiam encobrir aspectos ideológicos); agora é pior, quando temos uma Constituição feita em nome do Povo, aprovada na Assembleia da República - por todos - e que não se respeita minimamente.
Absolutamente de acordo, e quanto aos três parágrafos.
No tempo da ditadura respeitavam-se as leis (algumas poderiam encobrir aspectos ideológicos); agora é pior, quando temos uma Constituição feita em nome do Povo, aprovada na Assembleia da República - por todos - e que não se respeita minimamente.
Jose Leite said…
Partidocracia, plutocracia, mediocracia numa simbiose perfeita...

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…