Skip to main content


                                      SOBRE  VEIGA  SIMÃO

     Licenciado em Ciências Físico-Químicas (Universidade de Coimbra) e doutorado em Física Nuclear (Universidade de Cambridge), aos 32 anos de idade já era professor catedrático em Coimbra.
     Estamos a falar de Veiga Simão, que faleceu recentemente, aos 85 anos de idade.

     Bastante novo ainda, foi reitor da Universidade de Lourenço Marques, que criou, no início da década de 60. No tempo da ditadura!
     E foi ainda na vigência do antigo regime político que assumiu a pasta da Educação, tendo proposto as bases da chamada "Reforma Veiga Simão", assente em duas vertentes: Projecto do Sistema Escolar e Linhas Gerais da Reforma do Ensino Superior.

     Alguns bons ministros da Educação, que lhe sucederam, souberam enaltecer o trabalho desenvolvido por aquele que consideram ter sido o melhor ministro de tão importante área, agora espezinhada e em continuado declínio. A alguns dos que lhe seguiram em semelhantes funções governamentais e a muitos políticos com responsabilidades faltou-lhes, e falta-lhes, terem presente um princípio básico que norteou a sua acção educativa:

     Educar todos os portugueses, onde quer que se encontrem, na aldeia escondida ou na cidade industrializada, na savana seca e ignota ou na lezíria verdejante, é princípio sagrado de valor absoluto e de transcendente importância à escala nacional".

     No Parlamento foi apresentado um voto de pesar pelo seu falecimento, o qual foi aprovado pelo PS, pelo PSD e pelo CDS. Os dois partidos mais à esquerda, PCP e BE, votaram contra, e até hoje não encontrei nenhuma justificação para uma atitude que não compreendo e não classifico porque poderia pecar por defeito.

   

Comments

Às vezes a dita esquerda comporta-se como a dita direita. Tal e qual.

Confunde alhos com bugalhos, usa palas, enfim... não são comportamentos políticos, mas partidários.

O que põe tudo a perder.
Inteiramente de acordo, Isabel. E é mais um acrescento para descredibilizar (ainda mais) a política. Um comportamento reprovável.

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…