Skip to main content


     O  ESTADO  EM  QUE  VIVEMOS (III)

     De uma forma geral, os governos não têm desempenhado bem as funções que lhe são atribuídas, e a cujo cumprimento prometeram (juraram) dedicar todas as suas capacidades, e servir com lealdade o país e os portugueses.

     Actualmente, os dois partidos políticos que suportam o governo, formando uma maioria parlamentar, dão cobertura a iniciativas anticonstitucionais para conseguirem atingir objectivos que não são os legítimos interesses do povo.
     O Parlamento falha, pela acção concertda da tal maioria, a sua principal missão: fiscalizar os actos do Governo.

     O Governo desrespeita a Constituição da República, e não actua na legalidade democrática!
     E uma das evidências tem sido a acção do Tribunal Constitucional, que, por definição, é o tribunal ao qual compete especificamente administrar a justiça em matérias de natureza jurídico-constitucional. Nas contrariedades sofridas pelo TC - nas poucas vezes em que foi solicitado -, o Governo tem conseguido atingir o mesmo fim, e ainda agravado, e sem mais impedimento. Ou seja, insiste na actuação de ilegalidade democrática!

     Competiria ao Presidente da República, no quadro das suas atribuições, previstas na Constituição da República, actuar no sentido de impedir que um governo (este Governo) governe contra os valores próprios de um Estado de Direito, condenando o absolutismo, o radicalismo e o extremismo, que fazem parte do seu programa doutrinário: os meios seguidos têm que ser adequados aos fins, e não o contrário, como acontece - os fins ilegítimos justificarem os meios!

     É este o estado a que chegámos: um país destruído, um povo sofrido e sem esperança, e a democracia ameaçada!

     Até quando?

Comments

Muito bom, Comandante.

O que podemos fazer?
Dá-me ganas de fazer uma revolução, não com cravos de flor, mas com cravos de aço.

Mas quantos somos?
Para Isabel A. Ferreira:
Creio que se pode fazer algo, sem atraiçoar os princípios que jurámos defender (e talvez por isso mesmo). Penso tratar esse tema, brevemente - enquanto não murcharem os cravos!
Sempre gostei de cravos, e depois do 25 de Abril, com mais razão.
Mas concordo: agora, nada de flores...

Três capitães de Abril (Martins Guerreiro, Vasco Lourenço e Otelo Saraiva de Carvalho), envolvidos no movimento que DERRUBOU O ANTIGO REGIME, tiraram duas conclusões num debate, nestes últimos dias, a recordar o passado e a perspectivar o FUTURO:
1)não foi para isto que fizemos o 25 de Abril;
2)se o povo não aguenta, faça a revolução.

A iniciativa que desejamos será difícil para os militares, que têm que defender a democracia que instauraram. Mas esta, agora, é uma democracia falsa. Donde...
Pois... Eu não vejo nenhuma democracia, Comandante.

O que há para defender? Destroços?
Iniquidades?

Não, não foi para isto que os capitães de Abril fizeram uma revolução.

Quanto ao povo? É demasiado fatalista para fazer revoluções.

É o eterno "seja como Deus Nosso Senhor quiser..." E acomodam-se.

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…