Skip to main content



       O  ESTADO  EM  QUE  VIVEMOS (I)


     Este não é o Estado que criámos, nem é o Estado que desejamos.
As condições para um bom Estado foram lançadas, mas com o passar do tempo, tudo, ou quase tudo, se alterou - piorando!

     Para o Estado minguado que agora somos, apontam-se, entre tantas razões (de origem interna), a impreparação política, a incompetência, o partidarismo, a luta desenfreada pelo poder, a ausência de ética, a honra ferida, a ganância, a desonestidade, a corrupção.
Numa palavra: a falta de sentido de Estado! de sentido patriótico! e de muitas outras faltas, como a solidariedade, a igualdade, a fraternidade.

     Sem respeito pela História e sem respeito pelas pessoas - sem patriotismo -, as irresponsabilidades varridas pelos dias vêm conduzindo à perda de soberania e à destruição da democracia.

     Mesmo assim, este é o nosso Estado, um Estado de Direito e Democrático, como se apregoa.
Tenho dúvidas que assim seja!
     Para que o fosse, teria que cumprir-se o que estabelece o livro primeiro da nossa organização política - a Constituição da República Portuguesa -, naquilo que são as Tarefas Fundamentais do Estado (Artº 9º):
 - garantir a independência nacional e criar condições económicas, sociais e culturais que a promovam;
 - defender a democracia política;
 - assegurar e incentivar a participação democrática dos cidadãos na resolução dos problemas nacionais;
 - promover o bem-estar e qualidade de vida do povo e a igualdade real entre os portugueses;
 - assegurar o ensino e a valorização permanente.

     Estas são algumas das linhas mestras de orientação política do Estado.
     Do seu cumprimento não poderá haver desvio!

Comments

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…