Skip to main content


                                           O  POVO  UNIDO...

"Jamais será vencido, o povo unido", foi cântico de júbilo, autêntico; foi o sinal do caminho por onde passaria a empresa de construir um futuro - melhor futuro -, merecido.

Isso aconteceu há 40 anos!

Das trevas saíram abutres, que cresceram e se multiplicaram. Agrupados em seitas, para melhor reino. E, por causa deles, dos bichos, já o cântico não se escuta...

O Governo, sem governo, acentua sem cessar as gravosas e gravíssimas medidas que a quase todos sufoca, as quais incidem com particular violência sobre os militares, mas também sobre os restantes servidores do Estado, e com requintes de crueldade assassina os pensionistas e os reformados.

A "ordem" poderá ser parcialmente reposta pelo Tribunal Constitucional, a quem foram enviados vários pedidos de fiscalização sucessiva de normativos da Lei do Orçamento de Estado 2014, que integra atentados contra a devida confiança que o Estado tem de garantir aos cidadãos, mas que não cumpre.

No que respeita aos militares, nem tudo é conhecido porque não têm (nem podem ter) sindicato que os defenda, e a comunicação social é quase unânime na obediência cega aos "reizinhos de papel". Há, então, que que utilizar as poucas "armas" de que dispõem, como sendo levar para a opinião pública a indignação e a revolta que sentem pelas imposições de que são vítimas silenciadas.

Os militares, é garantido, não estão conformados!

Um primeiro sinal será dado pela "Iniciativa Pública" organizada pelas três Associações de Militares (Oficiais, Sargentos e Praças), que terá lugar no próximo dia 13 de Fevereiro, em Lisboa.
Um segundo sinal será o "Encontro de Oficiais", marcado para o dia 22 de Fevereiro, também em Lisboa, com a particularidade deste Encontro ser mesmo só para oficiais dos três Ramos das Forças Armadas, nas diversas situações (activo, reserva, reforma, voluntários, contratados), não podendo a comunicação social estar presente no anfiteatro. As decisões que aí forem tomadas irão reflectir-se, certamente, no futuro de todos nós, portugueses, e mesmo na indicação do rumo que o país deve seguir, perdido que anda.

Até lá, é indispensável não esquecer que "O Povo unido jamais será vencido"!



Comments

Será que o povo tem a coragem de se unir?

Não me parece. Não desta vez.

Andam todos muito alheados.
Preparam-se para colocar lá os mesmos.
Para Isabel A. Ferreira:
Lentamente (ou nem tanto) e intencionalmente, foram desencorajando o povo. E o povo consentiu! Temo que o alheamento que se vai verificando contribua perigosamente para um destino que não desejo. Mas...às vezes acontecem milagres!

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…