Skip to main content


                 A  INCULTURA LUSITANA


     Pelas touradas se torturam animais. A tortura dos animais é crime. A tourada é um crime.

     Apoiadas por governantes insensíveis e incultos, assim são elas, as touradas!
     Suportadas com dinheiros públicos.

     Em Portugal, hoje, os impostos pagam touradas! Pagam o crime da tortura de animais! E pagam a transmissão de espectáculos degradantes!

     Os deputados da Nação fogem às suas responsabilidades e obrigações: depois de adiarem, sem justificação, a discussão de uma proposta de lei visando a revogação da actual legislação vergonhosa, no sentido de acabar com a tortura animal, particularmente com as touradas, predispõem-se a manter os interesses instalados, mesmo que isso constitua uma violação das suas próprias consciências.
     Inconcebível num país culto!
     Inimaginável num país civilizado!

     Cabe aqui uma especial chamada de atenção à entidade que tem a obrigação de reprovar a lei que autoriza as touradas e permite a tortura dos animais: a entidade governamental responsável pela Cultura em Portugal - a Secretaria de Estado da Cultura.
     Só por grande distração poderá o Senhor Secretário de Estado da Cultura permitir a existência de leis irracionais e incultas que colocam Portugal na lista dos países subdesenvolvidos e sem cultura.

     Acredito que o Senhor Secretário de Estado não deseje que no nosso país seja legalizada a tortura de animais. Por isso - por acreditar nisso - espero que promova a lei que faça abolir as touradas!
     Que faça de Portugal um país respeitado!
     Que mostre ao Mundo que Portugal quer voltar a ser um país onde a Cultura é vasta e predominante!
     Que seja um marco da Civilização.

Comments

Muito bom texto. Magnífico, Comandante. Vou colocá-lo no meu Blog. Tenho a sua permissão?
Agradeço a apreciação que fez: fico contente por tê-lo escrito e, principalmente, por confiar no resultado.
Será honra para mim se colocar o texto no seu blog.
Abraço.
Obrigada, Senhor Comandante. Então é o que farei.

Jose Leite said…
Vou partilhar no facebook. No entanto a tourada devia ser repensada. Aquela barbárie dos ferros no cachaço, sangrando em abundancia, cria mal estar. Manter as pegas e optar por outro género de diversão numa interação competitiva e não degradante poderia ser uma forma de reciclar o espetáculo. O futuro está aí à espera... Oxalá não demore muito.
José Leite, nenhum dito "espectáculo" que utilize animais não humanos deve ser repensado, mas sim REJEITADO. Abolido.

Se os "homens" querem divertir-se que se divirtam com brinquedinhos de pau e pedra. Os animais SOFREM quando são retirados do seu habitat natural para irem servir de "brinquedos".

Manter as pegas é manter a estupidez. E isso não será viável.

O futuro será de espectáculos SEM ANIMAIS NÃO HUMANOS.
Jose Leite said…
Só hoje li este naco de prosa de ISABEL FERREIRA. Não sabia que era DONA DO FUTURO.
Se os animais humanos dão espetáculos a outros animais humanos, sem se degradarem (música, teatro, dança, ballet, fado, desporto...) por que não os animais não humanos o fazerem?

Gosto muito de ouvir uma caturra a cantar o «Parabéns a você...»

Degradante é aquele ZOO HUMANO da TVI chamado «Casa dos Segredos»... esse sim, degradante...

Quanto ao FUTURO, teremos de aguardar... ele, dizem que pertence a DEUS. Dizem...

Cordialmente,
José Leite

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…