Skip to main content


                 A  INCULTURA LUSITANA


     Pelas touradas se torturam animais. A tortura dos animais é crime. A tourada é um crime.

     Apoiadas por governantes insensíveis e incultos, assim são elas, as touradas!
     Suportadas com dinheiros públicos.

     Em Portugal, hoje, os impostos pagam touradas! Pagam o crime da tortura de animais! E pagam a transmissão de espectáculos degradantes!

     Os deputados da Nação fogem às suas responsabilidades e obrigações: depois de adiarem, sem justificação, a discussão de uma proposta de lei visando a revogação da actual legislação vergonhosa, no sentido de acabar com a tortura animal, particularmente com as touradas, predispõem-se a manter os interesses instalados, mesmo que isso constitua uma violação das suas próprias consciências.
     Inconcebível num país culto!
     Inimaginável num país civilizado!

     Cabe aqui uma especial chamada de atenção à entidade que tem a obrigação de reprovar a lei que autoriza as touradas e permite a tortura dos animais: a entidade governamental responsável pela Cultura em Portugal - a Secretaria de Estado da Cultura.
     Só por grande distração poderá o Senhor Secretário de Estado da Cultura permitir a existência de leis irracionais e incultas que colocam Portugal na lista dos países subdesenvolvidos e sem cultura.

     Acredito que o Senhor Secretário de Estado não deseje que no nosso país seja legalizada a tortura de animais. Por isso - por acreditar nisso - espero que promova a lei que faça abolir as touradas!
     Que faça de Portugal um país respeitado!
     Que mostre ao Mundo que Portugal quer voltar a ser um país onde a Cultura é vasta e predominante!
     Que seja um marco da Civilização.

Comments

Muito bom texto. Magnífico, Comandante. Vou colocá-lo no meu Blog. Tenho a sua permissão?
Agradeço a apreciação que fez: fico contente por tê-lo escrito e, principalmente, por confiar no resultado.
Será honra para mim se colocar o texto no seu blog.
Abraço.
Obrigada, Senhor Comandante. Então é o que farei.

Jose Leite said…
Vou partilhar no facebook. No entanto a tourada devia ser repensada. Aquela barbárie dos ferros no cachaço, sangrando em abundancia, cria mal estar. Manter as pegas e optar por outro género de diversão numa interação competitiva e não degradante poderia ser uma forma de reciclar o espetáculo. O futuro está aí à espera... Oxalá não demore muito.
José Leite, nenhum dito "espectáculo" que utilize animais não humanos deve ser repensado, mas sim REJEITADO. Abolido.

Se os "homens" querem divertir-se que se divirtam com brinquedinhos de pau e pedra. Os animais SOFREM quando são retirados do seu habitat natural para irem servir de "brinquedos".

Manter as pegas é manter a estupidez. E isso não será viável.

O futuro será de espectáculos SEM ANIMAIS NÃO HUMANOS.
Jose Leite said…
Só hoje li este naco de prosa de ISABEL FERREIRA. Não sabia que era DONA DO FUTURO.
Se os animais humanos dão espetáculos a outros animais humanos, sem se degradarem (música, teatro, dança, ballet, fado, desporto...) por que não os animais não humanos o fazerem?

Gosto muito de ouvir uma caturra a cantar o «Parabéns a você...»

Degradante é aquele ZOO HUMANO da TVI chamado «Casa dos Segredos»... esse sim, degradante...

Quanto ao FUTURO, teremos de aguardar... ele, dizem que pertence a DEUS. Dizem...

Cordialmente,
José Leite

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…