Skip to main content


                                    O  IRMÃO  IRLANDÊS

     Na Irlanda acontecem boas notícias: o Primeiro-Ministro anunciou que o seu país poderá libertar-se das garras da Troika a meados do próximo mês de Dezembro. Será a primeira das "vítimas" a consegui-lo, na zona do Euro!
Não se lhe ouviu, ao PM irlandês, nenhuma crítica  - era o que faltava! - ao Tribunal Constitucional...

     Depois de quatro anos de austeridade, a economia irlandesa, embora ainda frágil, dá fortes sinais de recuperação. Para isso, alguns factores que contam: o crescimento do PIB, o aumento dos salários, a diminuição do desemprego (de 15% para 13%), e o crescimento da indústria (4,2%).

     Seria interessante comparar-se o percurso de vida dos irlandeses com o dos portugueses durante a vigência do programa troikiano: as medidas tomadas, os resultados conseguidos, as lutas (quase inglórias) travadas, o empenho da oposição (partidos políticos), dos sindicatos e das instituições. Sem esquecer as inundações de desavergonhada intrujice, em que somos mestres.

     Não terão os irlandeses orgulho no seu país? Claro que sim, e demonstram-no sempre, desde o governante ao cidadão comum.

     E o nosso tradicional orgulho lusitano, por onde anda? Vai seguindo, por aí, silenciado...

     Passageiros do mesmo barco político, forçam-nos a não ter os irlandeses como irmãos. Por culpa nossa - exclusivamente nossa!

Comments

Mas poderá haver alguma comparação possível entre os governantes irlandeses e os portugueses?

Os governantes portugueses (a grande maioria, porque existem excepções) não se candidataram para servir Portugal, mas tão-só para servir interesses privados e de lobbies obscuros e os seus próprios bolsos.

O resto... que se LIXE!
Tem toda a razão: não há comparação possível; e por serem tão maus é que evitam (e distorcem) as discussões, que só nos ajudariam a resolver os nossos problemas.

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.