Skip to main content


                                 POLÍTICOS  DEVOTOS

     Mais do que a fé nos santos, a fazer de conta, é a confiança nos habituais penitentes, os eleitores: mal informados, ignorantes, fanáticos. A receita costuma resultar, e pode valer o sacrifício da falsa religiosidade quatrienal. A postura seráfica, em lugar destacado, pode fazer crer um aval.

     A reza política só pode ser de intensa convicção: dura até às próximas eleições! Os oragos visitados, no dia da sua festa, são esquecidos logo de seguida. Fossem os santos vingativos, e os políticos falsamente devotos seriam castigados, para se emendarem. O ridículo, como penitência, será bastante.
     Em vez de preces para obterem graças, os profissionais políticos autárquicos praticam a caça pouco disfarçada aos votos. Mais do que podem fazer os santos, prometem milagres os políticos caçadores de votos.

     Políticos devotos, à falsa fé!

     A peregrinação vai de terra em terra, a cumprir o calendário das festas e romarias, sem grandes alterações de cenário.
     Pelo multi-repetente candidato, em lugar visível e pose forçada a significar seriedade, passam os fieis servidores, nesses dias engravatados e barbeados, a darem-se ares. Cumprimentos a todos e abraços a alguns, enquanto os assessores de maroscas dão dicas e assentam breves notas.

     - leva agora um saco de cimento, depois irá outro.

     - este não leva um cheque, leva dois.

     - era o que faltava, pagar licença, homessa!

     - fica prometido: a freguesia também vai ter um bar.

     A banda filarmónica ataca mais uma peça. É festa!

Comments

E as dádivas? O que dizer das dádivas?

Se andam a perseguir o Luizinho Menezes com a história do pagamento de rendas para angariar votos...

Os daqui... fazem coisas piores e ninguém os persegue.

Por que será?
Jose Leite said…
Enfim, o milagre da multiplicação dos votos. Dar prebendas, prometer, prometer... sem saber onde os recursos obter...

Depois se verá! Prometer não custa, se não forem cumpridas as promessas arranja-se sempre um bode expiatório: a crise, a troika, talvez até o mau tempo!!!

O xicoespertismo teve o seu clímax com aquele ex-padre que dizia (de saída do CDS para se bandear para o PSD...): «QUEM MUDA DEUS AJUDA!!!»

Até os anjos no céu se riram a bandeiras despregadas!!!

Talvez Deus, o bom Deus, na sua infinita misericórdia, tenha dito lá para os seus botões:
«Benditos os pobres de espírito... será sempre deles o reino dos céus!!!»
José Leite Sá,
Os sem-vergonha encartados podem prometer tudo, porque sabem com que tipo de pessoas contam - tornadas culpadas.
Há três "manuais de boas práticas" que deveriam ser de uso obrigatório por todos os partidos políticos e eleitores em geral, além de "compêndios" seguidos nas "universidades de verão".
- Nuvem de Fumo (JJ Silva Garcia)
- Cristiano, Paixão irresistível (José Leite de Sá)
- Madrugada Suja (Miguel de Sousa Tavares).
Muita coisa mudaria...embora apenas numa área de bem "servir o povo".

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…