Skip to main content


                                           UM  CERTO  PODER


1. Há governantes que vão deixando passar os anos repetindo os mesmos cenários políticos, diferentes apenas na subtileza do engenho criado para ludibriar os ingénuos e os incautos que lhes deram o suporte. Eles, sentados nas cadeiras do poder ou voluntariamente presos nas teias que defendem os seus interesses próprios, assumem-se como paladinos intemeratos na luta pelo bem-estar da comunidade que representam, dizem-se detentores de amor acrisolado à terra que (talvez) os viu nascer, e juram tratar com critérios de igualdade os seus semelhantes.
   Tem sido assim em cada ciclo de quatro anos, sendo cada repetido mandato mais voraz de apetites vários e proporcional ao vazio de ideias sérias e úteis.

2. Por serem cidadãos os elementos manipuláveis nestas quadras eleitorais, é importante ter-se em conta um conceito de cidadania - por exemplo, aquele que é definido por Kant - no qual são considerados três qualificativos jurídicos para o cidadão:
  - a liberdade constitucional, que se traduz no direito de apenas obedecer às leis consentidas;
  - a igualdade civil, ou o direito de não reconhecer qualquer outro como superior;
  - a independência política, ou o direito de pertencer à comunidade política sem dependência da vontade arbitrária de outro.
   Ocorre-me, nesta altura, perguntar quantos cidadãos desejam utilizar ou seguir estes qualificativos, que devem ser orientadores da sua participação política. Além de alguns não quererem e outros não precisarem (!), muitos talvez os desconheçam, e muitos outros não poderão usar o seu direito de cidadania, direito segundo o qual ninguém deve mostrar-se estranho ou indiferente à política.

3. Como primeiros intervenientes na luta política, temos que saber distinguir entre grupos de interesse e grupos de pressão.
   Os grupos de interesse têm apenas em vista a defesa de interesses estabelecidos que a lei defende, podendo esses interesses ser políticos, culturais ou religiosos, e agregar pessoas que apenas tenham em comum um gosto ou atitude perante o mundo e a vida.
   Por grupo de pressão (na definição de Mathiot) entende-se toda a acção realizada junto de qualquer autoridade para influenciar nas suas decisões, através de métodos apropriados, desde a propaganda hábil e enganosa até aos meios de intimidação.
   Uma das armas mais frequentemente utilizadas, e por muitos aplaudida, é a corrupção, umas vezes sem disfarce, outras revestindo uma legalidade aparente.
   No campo das práticas ilegais destinadas a capturar (e a manter) o poder eleitoral, inclui-se a corrupção e a violência, e é aqui que uma comunicação social independente pode contribuir fortemente para desmascarar e talvez anular aqueles efeitos. É por isso que a corrida para o controlo e para o domínio dos meios de comunicação social, muitas vezes à custa do orçamento público (isto é, à custa dos impostos pagos pelos munícipes), faz com que, em vez de servir uma opinião pública que se pretende esclarecida para tornar independente ou livre o sufrágio eleitoral, pelo domínio dos meios de comunicação social permite-se manipular a opinião pública (quase sempre de forma grosseira e escandalosa), para ajudar à captura  (e manutenção) do poder.

4. Embora activos, os grupos de interesse apresentam neste momento uma vivacidade e uma eficácia relativas, porque seguem estritamente as linhas programáticas que a lei lhes concede e têm como ambição legítima a defesa do interesse comum.
   Por sua vez, alguns grupos de pressão desmultiplicam-se em actividades desenfreadas, aviltando valores, e com o objectivo primeiro de defender  (e aumentar) os interesses ou proveitos próprios.
   Deste confronto de comportamentos, e pelo conhecimento de situações de ética apunhalada e de má gestão do poder concedido, cria-se-nos a imagem das consciências dos compadres e confrades escorregando pelas cordas ensebadas do despudor e quase a roçar o lodaçal político em que alegremente se vão atolando.

5. É dos livros!
    Mas na prática, quase tudo é diferente - é consoante!

Comments

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…