Skip to main content


                                           UM  CERTO  PODER


1. Há governantes que vão deixando passar os anos repetindo os mesmos cenários políticos, diferentes apenas na subtileza do engenho criado para ludibriar os ingénuos e os incautos que lhes deram o suporte. Eles, sentados nas cadeiras do poder ou voluntariamente presos nas teias que defendem os seus interesses próprios, assumem-se como paladinos intemeratos na luta pelo bem-estar da comunidade que representam, dizem-se detentores de amor acrisolado à terra que (talvez) os viu nascer, e juram tratar com critérios de igualdade os seus semelhantes.
   Tem sido assim em cada ciclo de quatro anos, sendo cada repetido mandato mais voraz de apetites vários e proporcional ao vazio de ideias sérias e úteis.

2. Por serem cidadãos os elementos manipuláveis nestas quadras eleitorais, é importante ter-se em conta um conceito de cidadania - por exemplo, aquele que é definido por Kant - no qual são considerados três qualificativos jurídicos para o cidadão:
  - a liberdade constitucional, que se traduz no direito de apenas obedecer às leis consentidas;
  - a igualdade civil, ou o direito de não reconhecer qualquer outro como superior;
  - a independência política, ou o direito de pertencer à comunidade política sem dependência da vontade arbitrária de outro.
   Ocorre-me, nesta altura, perguntar quantos cidadãos desejam utilizar ou seguir estes qualificativos, que devem ser orientadores da sua participação política. Além de alguns não quererem e outros não precisarem (!), muitos talvez os desconheçam, e muitos outros não poderão usar o seu direito de cidadania, direito segundo o qual ninguém deve mostrar-se estranho ou indiferente à política.

3. Como primeiros intervenientes na luta política, temos que saber distinguir entre grupos de interesse e grupos de pressão.
   Os grupos de interesse têm apenas em vista a defesa de interesses estabelecidos que a lei defende, podendo esses interesses ser políticos, culturais ou religiosos, e agregar pessoas que apenas tenham em comum um gosto ou atitude perante o mundo e a vida.
   Por grupo de pressão (na definição de Mathiot) entende-se toda a acção realizada junto de qualquer autoridade para influenciar nas suas decisões, através de métodos apropriados, desde a propaganda hábil e enganosa até aos meios de intimidação.
   Uma das armas mais frequentemente utilizadas, e por muitos aplaudida, é a corrupção, umas vezes sem disfarce, outras revestindo uma legalidade aparente.
   No campo das práticas ilegais destinadas a capturar (e a manter) o poder eleitoral, inclui-se a corrupção e a violência, e é aqui que uma comunicação social independente pode contribuir fortemente para desmascarar e talvez anular aqueles efeitos. É por isso que a corrida para o controlo e para o domínio dos meios de comunicação social, muitas vezes à custa do orçamento público (isto é, à custa dos impostos pagos pelos munícipes), faz com que, em vez de servir uma opinião pública que se pretende esclarecida para tornar independente ou livre o sufrágio eleitoral, pelo domínio dos meios de comunicação social permite-se manipular a opinião pública (quase sempre de forma grosseira e escandalosa), para ajudar à captura  (e manutenção) do poder.

4. Embora activos, os grupos de interesse apresentam neste momento uma vivacidade e uma eficácia relativas, porque seguem estritamente as linhas programáticas que a lei lhes concede e têm como ambição legítima a defesa do interesse comum.
   Por sua vez, alguns grupos de pressão desmultiplicam-se em actividades desenfreadas, aviltando valores, e com o objectivo primeiro de defender  (e aumentar) os interesses ou proveitos próprios.
   Deste confronto de comportamentos, e pelo conhecimento de situações de ética apunhalada e de má gestão do poder concedido, cria-se-nos a imagem das consciências dos compadres e confrades escorregando pelas cordas ensebadas do despudor e quase a roçar o lodaçal político em que alegremente se vão atolando.

5. É dos livros!
    Mas na prática, quase tudo é diferente - é consoante!

Comments

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…