Skip to main content

Posts

Showing posts from 2013
A  INCULTURA LUSITANA


     Pelas touradas se torturam animais. A tortura dos animais é crime. A tourada é um crime.

     Apoiadas por governantes insensíveis e incultos, assim são elas, as touradas!
     Suportadas com dinheiros públicos.

     Em Portugal, hoje, os impostos pagam touradas! Pagam o crime da tortura de animais! E pagam a transmissão de espectáculos degradantes!

     Os deputados da Nação fogem às suas responsabilidades e obrigações: depois de adiarem, sem justificação, a discussão de uma proposta de lei visando a revogação da actual legislação vergonhosa, no sentido de acabar com a tortura animal, particularmente com as touradas, predispõem-se a manter os interesses instalados, mesmo que isso constitua uma violação das suas próprias consciências.
     Inconcebível num país culto!
     Inimaginável num país civilizado!

     Cabe aqui uma especial chamada de atenção à entidade que tem a obrigação de reprovar a lei que autoriza as touradas e permite a tortura dos animais: a entida…
VALEM  O  QUE  VALEM

     Nem a ficha técnica as salva: testemunham a veracidade de números, mas não revelam factores que distorcem, ou podem distorcer, a realidade, e por isso as conclusões.
     Refiro-me às sondagens.

     Quando se trate de política, é certo e sabido.
Os que saem agradados com os resultados exorbitam de optimismo e certezas: "as sondagens só confirmam as nossas expectactivas". Ainda que, no final, desçam uns degraus...
Os que são contemplados com os piores augúrios reagem, com assomos de certezas: "os resultados não correspondem à realidade, porque as sondagens valem o que valem". No fim, confirma-se que, de facto, elas valem o que valem: os resultados foram ainda piores.

     As sondagens são apenas um indicador, que pode ser de bom uso, e aí reside o seu grande potencial.

     Não pondo em causa a verdade dos números determinados, haveria que ter em conta muitos factores, que nem sempre são considerados: as conclusões serão, por isso, distorcidas e…
  ESPECIALISTAS

     Na era dos Descobrimentos fomos ricos em especiarias. Agora, num país quase desmembrado, a atravessar uma crise de que já não havia memória, surge uma outra riqueza: os especialistas! De tudo, e de todo o lado.
     Que o diga o Governo!

     Num quadro de desemprego assustador, despedem-se milhares de funcionários públicos, muitos deles experientes e qualificados. Ao mesmo tempo, contratam-se...especialistas!

     Apenas dois exemplos, publicados no DR, 2ª série - nº 56, de 20 de Março de 2013, de jovens (21 e 22 anos), recentemente licenciados em Economia, trazidos pela mão de Félix Moedas, Secretário de Estado Adjunto do Primeiro Ministro. E, mais ou menos assim despachou Sua Excelência, de uma assentada: designo como técnicos especialistas os licenciados fulano e sicrano para exercerem as funções de acompanhamento da execução de medidas do memorando conjunto com a UE, FMI e BCE.
Os designados - os especialistas - auferem a remuneração mensal bruta de €995,51, que p…
O  IRMÃO  IRLANDÊS

     Na Irlanda acontecem boas notícias: o Primeiro-Ministro anunciou que o seu país poderá libertar-se das garras da Troika a meados do próximo mês de Dezembro. Será a primeira das "vítimas" a consegui-lo, na zona do Euro!
Não se lhe ouviu, ao PM irlandês, nenhuma crítica  - era o que faltava! - ao Tribunal Constitucional...

     Depois de quatro anos de austeridade, a economia irlandesa, embora ainda frágil, dá fortes sinais de recuperação. Para isso, alguns factores que contam: o crescimento do PIB, o aumento dos salários, a diminuição do desemprego (de 15% para 13%), e o crescimento da indústria (4,2%).

     Seria interessante comparar-se o percurso de vida dos irlandeses com o dos portugueses durante a vigência do programatroikiano: as medidas tomadas, os resultados conseguidos, as lutas (quase inglórias) travadas, o empenho da oposição (partidos políticos), dos sindicatos e das instituições. Sem esquecer as inundações de desavergonhada intrujice, em que …
PROFISSÃO: ADJUNTA!

     O papiro oficial - DR, 2ª série, nº 193, de 7 de Outubro de 2013, dá-nos notícia de valiosas nomeações, que aqui se adiantam para ganharem o merecido relevo: bons colaboradores, jovens colaboradores, empenhadíssimos na árdua tarefa de ajudar a levar o país para o caminho certo.
Colaboradoras, melhor dizendo.
E, precisando: adjuntas!

     No cantinho das boas notícias - as nomeações -, na página 30367, a mensagem de 24 de Setembro de 2013 é do Secretário de Estado da Energia: "designada para exercer as funções de adjunta do meu gabinete, a licenciada Joana Filipa Costa Alves de Abreu, com efeitos a 26 de Julho de 2013: a designada aufere a remuneração correspondente ao cargo".
E quanto aufere a jovem senhora adjunta? Um bocado acima de três milenas: mais do dobro do que auferia antes, como técnica especialista, pois já lá estava!
Advogada, especialista na área, trabalha numa promissora e conhecida sociedade de advogados: consta das notas biográficas.

     N…
A  COMISSÃO  DE  HONRA

     O CAG - Clube dos Apanhadores de Grilos -, uma relevante Associação Cultural e Desportiva com 23 sócios pagantes e 2 honorários (por favores prestados), elaborou um programa a condizer com a grandeza da colectividade para celebrar os seus 20 longos anos de existência.
Um programa para ficar na história da aldeia!
     Ponto de partida: a organização da Comissão de Honra, que teria que ser alargada a dúzia e meia de pessoas, pelo menos, a maior parte delas desconhecidas.
Só comendadores eram dois. E creio que na tal lista da Comissão de Honra até constava o Presidente da República, que nunca soube da festa , nem do convite. O CAG não poderia, nunca por nunca, ficar atrás das suas congéneres associações vizinhas, que tinham feito o mesmo.
     O primeiro passo - a feitura da lista da Comissão de Honra - festejou-se condignamente com bacalhau assado e verde tinto, a rodos.
Bom começo!

     Na cerimónia de apresentação do programa do aniversário, marcou presença o en…
O  PREÇO  DA  CARNE

     Varia muito o preço da carne, consoante a natureza do animal e da zona em que ele é criado, aquela que se vende nos talhos, com os preços afixados, mais ou menos tabelados. Caros!
     Tenta o talhante vender, e o cliente compra, se gostar e puder. Simples! Resta escolher, ao gosto de uns e no interesse de outros: alcatra, acém, vazia ou cachaço. Sempre a contento da maioria!

     No mundo das carnes parece haver cada vez maior confusão, por mistura de conceitos, quando a política entra no comércio dos produtos, frescos e menos frescos: por exemplo, o talhante faz o papel de candidato autárquico, o consumidor assume o de comerciante.
     Ou vice-versa!

     Chega a perder-se a ordem natural das coisas: já não se sabe quem compra, escondem-se os que realmente vendem, outros vendedores menores são aos magotes, os intermediários interferem...
     Vende-se carne!
Compra-se carne!
     De preferência, por atacado.

     O pagamento da mercancia não deixa de ser curioso: é…
 POLÍTICOS  DEVOTOS

     Mais do que a fé nos santos, a fazer de conta, é a confiança nos habituais penitentes, os eleitores: mal informados, ignorantes, fanáticos. A receita costuma resultar, e pode valer o sacrifício da falsa religiosidade quatrienal. A postura seráfica, em lugar destacado, pode fazer crer um aval.

     A reza política só pode ser de intensa convicção: dura até às próximas eleições! Os oragos visitados, no dia da sua festa, são esquecidos logo de seguida. Fossem os santos vingativos, e os políticos falsamente devotos seriam castigados, para se emendarem. O ridículo, como penitência, será bastante.
     Em vez de preces para obterem graças, os profissionais políticos autárquicos praticam a caça pouco disfarçada aos votos. Mais do que podem fazer os santos, prometem milagres os políticos caçadores de votos.

     Políticos devotos, à falsa fé!

     A peregrinação vai de terra em terra, a cumprir o calendário das festas e romarias, sem grandes alterações de cenário.
     Pelo…
O  ÚLTIMO  DOS  AFICIONADOS

     Terminei a leitura de um livro interessantíssimo (1) que aborda questões que nos podem levar a investigar um campo novo e extraordinário da Psicologia.
     São várias as histórias que nos são contadas. Numa delas, a propósito da Guerra Civil Americana, é recordada uma célebre recomendação do Presidente Lincoln dirigida a um dos seus mais brilhantes generais: "cuidado com a imprudência". O general, mais tarde, reconheceu a verdade do aviso: perdeu a batalha porque, num momento crucial da campanha sentiu-se moralmente assustado (e não fisicamente assustado).
     É neste contexto que é igualmente referido Hemingway - que muitos consideram que fora um apaixonado pelas touradas -, contando-se o episódio passado com Gallo que, segundo o escritor, "foi o inventor da recusa em matar o touro se o animal o olhasse de determinada maneira".

Gallo terá tido uma carreira longa, com exibições inesquecíveis, e na primeira delas, depois de lutar coraj…
A  CULTURA  AUSENTE

     Já faz parte dos roteiros literários: a Póvoa de Varzim, com as suas "Correntes d'Escritas", é uma referência nacional. Se a organização não é (ainda) perfeita, e os objectivos não têm sido amplamente conseguidos, paciência! Tudo vai melhorar, acredito.
     Nas várias edições - já se contam por dois dígitos! - das "Correntes", participaram nos eventos centenas de escritores de "expressão ibérica". É obra!

     Sem entrar em detalhes, realço os factos de muitos escritores se darem a conhecer, e com eles se poder trocar impressões, literárias ou de simples vivência, e, de não somenos importância, homenagear-se um ou outro (não interessando a nacionalidade), seja por um percurso literário ou cultural, seja por uma sua intervenção cívica notória.
Por tudo isso, o meu aplauso.

     Na semana passada faleceu Urbano Tavares Rodrigues. Perdeu-se - afirmo-o eu - um grande escritor português. E, pela escrita e para além da escrita, um grand…
SERVOS  DA  GLEBA


     Esta é a época das sementeiras intensivas, de reprodução rápida: bastam dois ou três meses para conseguirem os seus frutos.
O terreno pode ser árido e as ervas daninhas, mas os resultados são os mesmos de sempre: deploráveis!
     Refiro-me às eleições autárquicas e às empenhadíssimas pré-campanhas: os políticos recandidatos saem das luras ou dos refúgios, e descobrem, finalmente, a sua e nossa cidade: aproximam-se do "amado povo" e desmesuram-se com beijinhos, abraços, palmadinhas nas costas e piscadelas de olhos.
     Nada de novo: são sempre assim os "democratas" quadriénios"!

     Simpáticos, sorridentes, transfigurados de gente séria, empenhada e isenta de pecado político, apresentam a quem (ainda) os vê o lado melhor do seu currículo, se é que há algum...
     Renascidos, antes do tempo, são por muitos tomados como empreendedores, amigos das pessoas, homens de contas e de mãos limpas.
     Quem diria!

     Os espectadores da farsa, num rep…
UM  CERTO  PODER


1. Há governantes que vão deixando passar os anos repetindo os mesmos cenários políticos, diferentes apenas na subtileza do engenho criado para ludibriar os ingénuos e os incautos que lhes deram o suporte. Eles, sentados nas cadeiras do poder ou voluntariamente presos nas teias que defendem os seus interesses próprios, assumem-se como paladinos intemeratos na luta pelo bem-estar da comunidade que representam, dizem-se detentores de amor acrisolado à terra que (talvez) os viu nascer, e juram tratar com critérios de igualdade os seus semelhantes.
   Tem sido assim em cada ciclo de quatro anos, sendo cada repetido mandato mais voraz de apetites vários e proporcional ao vazio de ideias sérias e úteis.

2. Por serem cidadãos os elementos manipuláveis nestas quadras eleitorais, é importante ter-se em conta um conceito de cidadania - por exemplo, aquele que é definido por Kant - no qual são considerados três qualificativos jurídicos para o cidadão:
  - a liberdade constitucional,…

O CHÁ DAS CINCO

O  CHÁ  DAS  CINCONuma espécie de "declaração de interesses", manifesto a minha discordância quanto à composição do Conselho de Estado - o órgão consultivo, por excelência, do Presidente da República. Haveria que revê-la - disso não tenho dúvidas - se se pretender obter o conselho avisado de quem possui estatura moral e conhecimentos reconhecidos nas áreas-chave da nossa sociedade.

     A Presidência da República dispõe de uma vasta equipa de assessores altamente credenciados, distribuídos pela Casa Militar e pela Casa Civil. Nesta, principalmente, não faltam os estudos aprofundados e, daí, os bons conselhos. O Conselho de Estado surgirá, então, apenas em situações delicadas e sobre as quais o Supremo Magistrado da Nação terá que decidir: o "conselho" do Conselho de Estado poderá contribuir, e muito, para a melhor decisão.
     Não será frequente, portanto, a reunião deste órgão consultivo: apenas em situações críticas. Por outras palavras - e seguind…
Dia Internacional da Mulher
 Todos os dias são teus, Mulher! Mulher que sofres, e que choras.

 Mulher que ris e abraças.

 Mulher que lutas e gritas.

 Salve!

Mulher amiga.

Mulher que amparas, que trabalhas e educas.

Salve!


Hoje, Dia Internacional da Mulher, evoco as duas Mulheres da minha vida: a minha Mãe - que recordo com muita saudade -, e a minha Filha.

Bem hajam, Mulheres!
EM  BUSCA  DO  FUTURO


     Ninguém sabe como vai ser o dia de amanhã: os meteorologistas prevêm o tempo que fará, com base em observações e cálculos, mas sem certezas; os mestres da cartomância e da horoscopia, sem fundamentos, garantem-nos tudo o que mais desejamos, para amanhã, e nada acontece.
     Do amanhã ninguém sabe. O amanhã é - poderá ser sempre -, desconhecido.

     Não podendo ser adivinhado o dia de amanhã - ninguém sabe como será -, pode o amanhã ser construído? Talvez!
     Não num instante, como se fora um milagre; antes com demoradas paciências. Em momentos prolongados, com pausas seguras.
E mais: não em actos isolados, mas em acções coordenadas, a seguir o caminho dos mesmos sinais, dos mesmos destinos.

     O amanhã pode ser!

     Porque hoje se vive na incerteza que nos tolhe e entorpece, requere-se uma aurora que nos liberte e avance. A caminho do amanhã, que nos espera.

     Pode-se construir o amanhã, transformado no futuro que queremos. Construir o nosso futuro.

     Já…