Skip to main content

                               FRASES  QUE  MARCAM

   Há frases que percorrem os tempos e são sempre sábias. Porque foram sábios quem as proferiu, ditadas pela experiência ou pelo saber, e não por vaidades ou pelos efémeros lugares de destaque na sociedade. São ensinamentos que tantas vezes servem de guia, sempre que a razão não abunda.
   Assistimos, hoje em dia, por tudo e por nada, e por todos os meios, a um rosário de frases feitas sem significação válida. Que não se reflectem como pensamento sério ou profundo ou, no mínimo, exacto. E não havendo possibilidade de escolha na aceitação, são tidas como dogma.
   Inválidas, pois!

   Apenas dois exemplos, relativamente recentes, de frases ditas por dois altos responsáveis no nosso sistema político: nesses casos, a sua análise aprofundada leva-nos muito para além do valor do seu conteúdo, e isso é o que mais nos deve preocupar.

   Nas vésperas de ser eleito Primeiro-Ministro de Portugal, Passos Coelho dirigiu-se ao povo português - ansioso por uma mudança política em que acreditava -, nos seguintes termos:
   "Já ouvi o Primeiro-Ministro José Sócrates dizer que o PSD quer acabar com muitas coisas e também com o 13º mês, mas isso é um disparate".
   Sabemos o que fez, mal meteu a chave à porta: acabou com o 13º mês e com o 14º mês, e mais outras coisas que, em seu entender, são disparates.
   O que devemos então concluir daqui? Aceitar a mentira descarada? Assistir pacificamente à semente da desonestidade? Como podem os cidadãos, a partir desse momento, dar um voto de confiança em qualquer acto político do primeiro-ministro (se não lhes forem dadas verdadeiras razões)?

   A propósito de silêncios cautelosamente geridos - quando o discurso teria sido necessário -, o Presidente da República, Cavaco Silva, afirmou publicamente:
   "Para serem mais honestos do que eu têm de nascer duas vezes".
   E mais não disse, nem lhe foi perguntado!
   A frase, bem marcante, encerra dois conceitos: um, o auto-elogio desnecessário sobre a noção de honestidade, que é inquestionável no caso do detentor do mais alto e dignificado cargo da Nação; outro, uma espécie de confronto ou desafio a todos os honestos concidadãos, estes sem meios de prova por não poderem voltar a nascer, e a consideração de uma escala de valores para a honestidade, que não é aceitável.

   Foi dito, está dito!
   Disseram!

   Resta a cada um de nós - os alvos daquelas frases marcantes - fazer o seu juízo.

Comments

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…