Skip to main content

Posts

Showing posts from May, 2012
O  ALTO  FUNCIONÁRIO

   De entre os 230 devotados deputados da Nação, uma dúzia de sacrificados ministros e um montão de diáfanos secretários de Estado, nunca se ouviu - que me recorde -, estas palavras consoladoras que deveriam ser uma constante na nossa vida política:

"Eu não minto, não engano, não ludribio".

   Aconteceu no Parlamento, a nove deste mês de Maio enganador (pelo tempo que faz). E quem o disse foi o Alto Funcionário, do Governo e da Função Pública, Vítor Gaspar. Assim mesmo: pausadamente e bem explícito.
   E num remate, para desfazer futuras dúvidas:

"A política de verdade é para mim uma convicção absoluta".

   O Alto Funcionário falou e a plateia continuou adormecida!
FRASES  QUE  MARCAM

   Há frases que percorrem os tempos e são sempre sábias. Porque foram sábios quem as proferiu, ditadas pela experiência ou pelo saber, e não por vaidades ou pelos efémeros lugares de destaque na sociedade. São ensinamentos que tantas vezes servem de guia, sempre que a razão não abunda.
   Assistimos, hoje em dia, por tudo e por nada, e por todos os meios, a um rosário de frases feitas sem significação válida. Que não se reflectem como pensamento sério ou profundo ou, no mínimo, exacto. E não havendo possibilidade de escolha na aceitação, são tidas como dogma.
   Inválidas, pois!

   Apenas dois exemplos, relativamente recentes, de frases ditas por dois altos responsáveis no nosso sistema político: nesses casos, a sua análise aprofundada leva-nos muito para além do valor do seu conteúdo, e isso é o que mais nos deve preocupar.

   Nas vésperas de ser eleito Primeiro-Ministro de Portugal, Passos Coelho dirigiu-se ao povo português - ansioso por uma mudança política em que …
CRIMES  DA  AUSTERIDADE

     Medidas de austeridade eram necessárias desde há anos: o regabofe dos abusos despesistas por parte do Estado e organismos adjuntos corria com o freio nos dentes, sem que houvesse uma qualquer tomada de consciência geral nem um qualquer reparo por parte das oposições políticas.
     Alguém haveria um dia de pagar o preço elevado de tal factura. Nunca ninguém imaginou, porém, que os pagantes seriam aqueles a quem nem uma migalha lhes calhara das sobras dos banquetes.
     Os vampiros tomaram-lhe o gosto e não descansam enquanto não esmagam a pouca resistência daqueles que ainda a conseguem ter, necessária para a sua sobrevivência.

     Os sacrifícios têm que ser repartidos por todos, é o que cândida e hipocritamente anunciam, com ar grave, quase solene. Só não esclarecem que esses "todos" são todos aqueles que menos posses têm e só vêm negrume à sua frente. E de nada são culpados, a não ser terem confiado nos que muito prometeram e juraram servir o paí…