Skip to main content

O HOSPÍCIO RECTANGULAR

Warren Buffet, o americano considerado o terceiro homem mais rico do mundo - ele é investidor -, afirmou que nesta altura até sente vergonha por pagar tão poucos impostos no seu país, quando, em seu entender, ele e os outros muito ricos deveriam acompanhar o esforço que os seus compatriotas estão a ser obrigados a suportar. Warren Buffet diz não se sentir bem com a sua consciência: olhando à sua volta, não quer contribuir para aumentar as injustiças sociais. É de homem!

Em França há também gente muito rica, e o país encara o mesmo tipo de problemas: uma crise que é carregada pelos que menos têm. Vai daí, como num toque a rebate, 16 milionários franceses pediram ao governo o favor de os taxarem com um imposto especial para ajudar a combater a crise.

Parece que a (má) política é geral, nesta Europa da "solidariedade" e da "justiça social": quanto mais ricos são, menos impostos pagam.

Portugal, afundado, está no topo da lista dos países europeus onde existem maiores desigualdades (seguem-se, distanciados, o UK, a Itália, a Grécia e a Espanha), avaliadas segundo o coeficiente de Gini. Porém, os nossos portugueses muito ricos - que incansavelmente engordam aquele coeficiente - riem-se das iniciativas dos outros seus compadres ricos.
Nós, os portugueses, somos claramente diferentes dos outros povos. Os muito ricos até se consideram assalariados, e por isso acham que não será justo taxar, com justiça, as grandes fortunas. Os pobres, esses, ainda vão tendo onde cair mortos...
Entretanto, os nossos governos, empenhadíssimos e com elevado sentido patriótico, vão ajudando à festança!

Comments

Amorim não quer, Belmiro queixa-se da crise, Passos Coelho recorda que foi apoiado explicitamente por Soares dos Santos na campaha eleitoral... seria ingratidão ir agora cuspir no prato... que paguem os mesmos do costume... já estão habituados... é só fazer mais um furo no cinto...

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…