Skip to main content
ESTA CASA QUE É NOSSA

Está em estado de ruína a Casa em que vivemos e queremos continuar a viver; a Casa é este país que deveríamos saber honrar. Não se culpem os alicerces - que têm séculos - como a causa da quase derrocada que nos ameaça. Foram antes a má qualidade de gente que se encarregou do seu governo, a degradação que consentiram e os roubos que praticaram e permitiram. Repetidamente!

Os anos passam, as responsabilidades morrem, a escuridão avança. Espectadores abúlicos que somos dos farsantes por nós eleitos. Tudo consentido e até aplaudido!

Não há vergonha nem contrição. Ninguém de respeito se impõe, porque a honra se desvanece e já pouco vale como penhor.

O discurso esvaziado é cada vez mais enganador porque ilude com promessa de verdade, que teima em não existir.
E por nunca ter havido verdade, nua e crua, e ninguém a ter exigido, chegámos a uma encruzilhada de vários caminhos, sem saída à vista.
Há, porém, que tentar com urgência uma saída. Será um esforço que receberá de nós todos - porque queremos continuar a ser dignos - o apoio que a diligência merece.
Requere-se, para tanto, uma AUDITORIA às Contas Públicas desde o "começo dos tempos viáveis": fins da década de 70, meados da década de 80. Queremos saber - os portugueses têm esse direito - quanto dinheiro foi gasto, como se gastou, e a que orientações políticas obedeceram tais gastos.
Tudo contabilizado até ao dia de hoje!

Dispensam-se, por enquanto, nomes. A memória colectiva apontar-lhes-á o dedo, e a Justiça e a História serão seus julgadores.

Comments

RR said…
É um direito dos portugueses tão evidente que é muito significativa a oposição que tem recebido

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.