Skip to main content
DEFENDER A HONRA (II)

Antes que caia a noite, e escureça ainda mais, olhe-se atentamente e com seriedade para o actual retrato da nação portuguesa, tido como impossível de um dia vir a acontecer. Mas aconteceu!

Neste ano de 2011 - ano de desgraça anunciada -,somos confrontados com o resultado ignominioso das podridões governativas que temos tido:
- crescimento económico: o pior desde 1920!
- taxa de desemprego: a mais alta dos últimos 80 anos!
- dívida pública: a maior dos últimos 160 anos!
- dívida externa: a maior dos últimos 120 anos!
- vaga de emigração: a 2ª maior dos últimos 160 anos!

Quem são, e onde estão, os portugueses que conduziram Portugal a tão vergonhoso e criminoso descalabro?

Povo ingovernável, dizem que sempre fomos!
Mas foram criadas as condições para se fazer esquecer velhíssimos tempos, que outros, contemporâneos execrandos, aproveitaram para aviltar o nosso legado e hipotecar o nosso futuro. Sem julgamento e sem perdão.
Todos - repito: todos - os responsáveis directos, coniventes e complacentes, façam um exame de consciência (com um ligeiro sentido patriótico) antes que o povo determine o seu julgamento, para que ao menos se possa chegar a lavar a face deste país, que sempre se quis honrado.

"Eu, abaixo assinado, declaro por minha honra cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa".

"Eu, abaixo assinado, declaro por minha honra que exercerei com lealdade as competências que me foram confiadas".

Se se cumprissem os juramentos, seria defendida a Honra!

Comments

«Lealdade» a quem?

Talvez aos que os elegeram com dinheiros sujos, roubados ao erário público... colocados em lugares de destaque (C. de Estado por exemplo...) e defendidos com unhas e dentes até ao último suspiro da manipulação...

Não «lealdade» ao povo, aos cidadãos anónimos, sempre vítimas do regabofe...
RR said…
Foram muitos anos a jogar com as palavras ... e connosco!

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.