Skip to main content
DEFENDER A HONRA (I)

Durante muitos anos - séculos - Portugal virou costas ao continente onde nasceu e, sozinho, conquistou o Mundo. Portugal foi grande, admirado e respeitado. O povo português, heroico e sofredor, foi digno merecedor de tal respeito.
Se olharmos para trás, nas lonjuras dos tempos, veremos que os erros que algumas vezes se cometeram foram reparados. Até a independência nacional chegou a perder-se, mas conseguimos recuperá-la. O povo assim o quis! Fomos assim, nós, os Portugueses.
Nesses recuados tempos, quando este pequeno país dominava um império, tivemos algumas vezes que bater o pé aos poderosos da Europa, ainda que com grandes sacrifícios. Então, sabíamos ser dignos dos nossos legados.

Por tantas razões, houve que "regressar" ao passado, praticamente isolados dos nossos irmãos europeus. Más políticas, talvez.
Nas últimas décadas "demos meia volta" e abraçámos a Europa. Ficámos europeus, disseram. Civilizados. No caminho do progresso, prometeram. A Nação mais antiga da Europa e com um passado grandioso, podia, por direito próprio, sentar-se à "mesa dos reis", ainda que empobrecidos porque a abundância cá nunca foi raínha.

Temos bem presentes as últimas dezenas de anos que vivemos neste país que quis e soube conquistar a Liberdade. Perpassam-nos pelos olhos as almejadas condições de justiça, fraternidade e alegria, que nos dariam o preciso alento. Apesar de outros (e tantos) erros se terem cometido...
E quase num repente - o que são três ou quatro décadas na nossa longa contagem do tempo? -, criámos os nossos próprios inimigos, consentidos, dentro de portas. Nunca antes foi tão vilmente traído o povo!

A muita miséria e a fome, que ainda conhecemos e recordamos, como causa próxima da guerra mundial, ficam àquém das condições que agora se vivem e se esperam, porque a esperança se perde! Culpa de governantes sem escrúpulos e de representantes de instituições sem o sentido do Dever, acobertados com voluntárias incompetências, que preferiram as ambições pessoais e fizeram esvaecer a importância dos Valores dos Homens.
Esses, e tantos outros praticaram, a seu bel-prazer, actos que História um dia julgará.

(continnua)

Comments

Mais uma vez, uma tirada de se lhe tirar o chapéu!

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…