Skip to main content
O CARNAVAL DA REVOLTA

Há-de ficar na memória dos poveiros o disparate do último carnaval, que dizem ser uma festa com fortes tradições entre nós. Se tinha, a tendência será acabar, porque o povo não tolera brincadeiras de muito mau gosto, como a infeliz e injusta decisão da autarquia em não organizar o carnaval das (e para as) crianças das escolas do concelho.
À última hora, alegou a Câmara Municipal, habitual organizadora destes carnavais e outras coisas, e pelas quais colhe sempre dividendos políticos, que foi necessário poupar 10 mil euros com o transporte das crianças das freguesias do concelho! Para elas não haveria carnaval!

Mas, ao mesmo tempo, as parangonas oficiais, e outras quase, diziam que um milhar de crianças das escolas da cidade - as nossas crianças - tiveram o seu desfile de carnaval!
Entretanto, a mesma Câmara Municipal organiza numa discoteca (!) uma festa de carnaval para idosos e para crianças (igualmente da cidade); assim - explicam -, poderiam conviver alegremente a abanar o capacete, com uns shots para animar, duas gerações trocando experiências de vida...É de loucos!

Esta "poupança" disparatada foi anunciada na mesma altura em que se soube que a Câmara Municipal adquiriu duas valiosas viaturas para a limpeza do lixo - da cidade, já se vê -, e do "protocolo" (concessão de subsídio) de 250 mil euros ao Clube Desportivo da Póvoa!

Os pais e os avós das crianças do concelho deviam manifestar o seu vivo repúdio por aquela medida discriminatória, fazendo um boicote total a qualquer evento organizado pela Câmara: como não haveriam de ficar na "fotografia das propagandas", muito perderiam os "solidários, pacifistas, insensíveis e abnegados" mentores das futuras gerações poveiras.

Revoltem-se os pais, os avós, os tios e os vizinhos dessas crianças!
Voltem aos tempos de antigamente: brinquem com alegria ao carnaval, nas suas próprias freguesias!
Recrie-se uma tradição, e mandem às malvas o "carnaval autárquico e citadino"!

Comments

Isto não está para carnavais. Façam como fizeram com a virtual «ETAR da Aguçadoura"»...

Ponha-se um cartaz gigante à entrada da cidade com a foto de Macedo Vieira sorrindo para Sócrates...

«Porreiro, pá, a Póvoa é Portugal,
connosco é um eterno CARNAVAL!!!»

O povo, castigado com impostos e seviciado com mentiras constantes,não rirá, não! lapidará o cartaz... e os dois pândegos...
Caro rouxinol:
A ideia é brilhante!
O slogan servirá para os anos mais próximos: será difícil a Póvoa mudar!
A foto, de boa/má memória, é um excelente chamariz...

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…