Skip to main content

Posts

Showing posts from February, 2011
AUTARCAS DE RODAS

Imagine-se um presidente de Câmara Municipal a pedalar, diariamente (se não chover), de casa para o trabalho!
Acontece na Murtosa.
E não é só o presidente, que (também) é amante de bicicletas: ele disponibilizou uma dezena de "duas rodas" para os funcionários se deslocarem, em serviço, em pequenos trajectos.

A ideia é simpática, mas não é nova. Pelo menos, aqui para as nossas bandas, ela tem sido pregada com alarido, mais para exibição domingueira e de cariz folclórico.
Aos poucos e poucos lá chegaremos: uma ciclovia de milhões continua planeada, e na cidade não faltam pistas para ciclistas.

Mantém-se em aberto, portanto, aquela ideia do presidente da Câmara e os seus vereadores usarem a bicicleta no seu dia-a-dia. Não sei como ainda não se tinham lembrado disso!

Há um problema: o que farão, entretanto, os motoristas das viaturas que lhes estão atribuídas?
CORRUPÇÃO? NÃO INTERESSA!

A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim era uma das que não havia cumprido o determinado na Lei nº 54, de 04 de Setembro de 2008: elaboração de um PLANO de Gestão de Riscos e Infracções Conexas, recomendado pelo Conselho de Prevenção da Corrupção, que funciona junto do Tribunal de Contas.
Depois de feito o alerta , há algumas semanas, produziu agora um "plano" (incompleto), apresentado em Reunião de Câmara e aprovado por unanimidade.

O Plano tem de contemplar todos os trabalhadores das instituições, quer dos mais altos responsáveis, quer do mais simples funcionário.
E sendo os riscos graduados em função da probabilidade da sua ocorrência e da gravidade das suas consequências , deve cada um deles ter um grau de quantificação.
Isso não acontece no "plano" poveiro!

Por ora, são identificadas as seguintes áreas de risco: (1) contratação de empreitadas, (2) aquisição de bens e serviços, (3) concessão de apoios e (4) fiscalização …
PESSOAS COMO NÓS

JAPÃO, 1929

"Esses mineiros, tal como os homens que tinham passado muito tempo na prisão, tinham os rostos amarelecidos, inchados e sempre absortos. A falta de luz do Sol, o pó de carvão, os gases venenosos, a temperatura e a pressão anormais tinham provocado nos seus corpos uma deterioração que era evidente à primeira vista.

- Se trabalhares como mineiro durante cerca de sete ou oito anos, terás passado quatro ou cinco nas trevas, sem sequer uma oportunidade para sair ao sol, durante quatro ou cinco anos!"

(excerto do livro "Os Navios dos Homens", do japonês Takiji Kobayashi)

PORTUGAL, 2011

Os deputados da Nação - da nossa - têm reformas vitalícias, com contagem de tempo a dobrar!
Os nossos "mineiros" de agora - a maioria dos portugueses - têm, se tiverem, pensões de miséria, após uma vida inteira de trabalho!

"Mineiros" e deputados, pessoas como nós!