Skip to main content
O (RE)CANDIDATO CAVACO SILVA

As considerações que se seguem poderão servir para fazer uma avaliação de Cavaco Silva, (re)candidato à Presidência da República.

Como 1º Ministro (10 anos):
1 - Não poderei esquecer as fortes restrições financeiras que impôs às Forças Armadas, nomeadamente na aplicação da Lei da Programação Militar (inadmissível num bom economista) e nos vencimentos, com promessas não cumpridas (1991, para ser mais exacto).
2 - Ainda hoje os portugueses se questionam sobre a aplicação dos vultosos dinheiros vindos de Bruxelas, que não serviram para desenvolver, como se devia, as actividades produtoras de riqueza, com especial destaque para a agricultura e as pescas.
3 - No fim do seu 2º mandato apeou-se. Outro que tratasse das coisas! Não discuto questões de carácter e de lealdade para com os seus companheiros. Apenas observo.
4 - Afastou-se, ao que (se) diz, da vida política, e levou 10 anos a fazer a travessia do deserto. Por que motivos?

Como Presidente da República:
1- Por calculismo político, geriu silêncios.
2 -Permitiu que se levantassem e alimentassem suspeitas sobre o bom relacionamento e funcionamento das instituições democráticas (caso das escutas em Belém).
3 -Contrariando algumas sensatas opiniões e ignorando alertas e conselhos, preferiu defender um amigo, Conselheiro de Estado, até ao limite, em vez de prontamente mostrar clarividência, isenção, firmeza e defesa dos superiores interesses do país. Não dignificou o seu cargo.
4 - Apregoa alertas que terá produzido, mas não fez o uso devido das suas competências no que respeita à Assembleia da República:
- convocar extraordinariamente a Assembleia da República;
- dirigir mensagens à Assembleia da República e às Assembleias Legislativas das Regiões Autónomas.
(Artº 133º da Constituição da Rpública)
5 - Como Comandante Supremo das Forças Armadas (Artº 134º da Constituição da República), deveria ter exercido efectivamente as suas funções e não permitir o público aviltamento da Instituição Militar. Não dignificou as Forças Armadas.

Como (re)candidato à Presidência:
1 - Mantendo-se inalterados os seus poderes, permitidos pela Constituição, como pode Cavaco Silva prometer uma magistratura activa num eventual próximo mandato? E no primeiro mandato, que agora termina, como foi então a sua magistratura? Passiva? Demitiu-se de algumas das suas funções ou deveres?
2 - Ao fim de cinco anos na Presidência, o (re)candidato apresenta o "populismo presidencial", referindo injustiças na sociedade, com desigualdades, pobreza e fome, problemas que poderão "ser resolvidos por um presidente com experiência".

Razões (estas e outras) mais que bastantes para não desejar Cavaco Silva na Presidência da República!

Comments

A Saúde dos Portugueses em 2025

O senhor Presidente da República, na sua mensagem de Ano Novo, colocou a necessidade de os Portugueses saberem para onde vai o País em matéria de cuidados de saúde.
Fez bem, ainda que tenha sido num dos seus Governos, enquanto primeiro-ministro, que alguém colocou o ovo da serpente no ninho da cotovia.
Para os que não se lembrem, o ovo da serpente foi o Decreto-Lei nº 19/88, de 21 de Janeiro, há exactamente 20 anos. Foi aí que nasceu a destruição do Serviço Nacional de saúde, que tinha então cerca de dez anos depois de consolidado.
Foi nessa altura que se entregaram as direcções de alguns hospitais a «personalidades de reconhecido mérito» que não tinham de ser médicos nem administradores hospitalares (Decreto Regulemntar nº 3/88, de 22 de Janeiro).
Resumindo, há cerca de vinte anos que o real poder económico, que é quem manda no aparente poder político, decidiu agarrar todas as áreas do Serviço Nacional de Saúde que a sua imaginação consiga vislumbrar, como transformáveis em fontes de lucros chorudos.
É assim que as coisas são e é isso que vai acontecer, seja qual for o Ministro, seja qual for o Governo, desde que seja de maioria absoluta (a tarefa exige força e tempo).

Como ainda não vi ninguém contribuir com informação ou opiniões para a preocupação do Senhor Presidente da República, aqui vai o meu modesto contributo:

1 – Andam por aí umas pessoasinhas e umas instituiçõesinhas, (privadas, públicas, ou assim-assim…) todas muito contentinhas com os negóciosinhos que vão fazer na área dos cuidados de saúde;

2 – Mas esquecem-se que qualquer actividade que seja lançada no mundo dos negócios, fica imediatamente sujeita às leis do mercado, isto é, à lei do mais forte;

3 – E assim, a primeira coisa que vai acontecer, é esses negóciosinhos serem todos absorvidos por uma ou duas grandes empresas portuguesas;

4 – Acontece que Portugal é um país muito pequenino, perante outras empresas de outros países que estejam, e já estão, instaladas nesses negócios;

5 – E assim sendo, essas grandes empresas de países realmente grandes, olharão para as nossas “grandes empresas” como uma espécie de filiaisinhas de província.

6 – Assim as olharão e assim as engolirão.

7 - E então, por voltas do ano 2025, a saúde e a vida dos Portugueses, estarão dependentes dos lucros de empresas que, nessa altura, já nem serão portuguesas (já está a acontecer em outras áreas).

8 – Será tratado e/ou operado, quem tiver dinheiro para pagar à factura, tenha ou não tenha os tais seguros de saúde.

9 – Nessa altura, muitos dos actos médicos em Portugal serão praticados por médicos contratados nos saldos dos países subdesenvolvidos.

10 – E os médicos portugueses, muitos terão emigrado, ou terão aceitado trabalhar em condições miseráveis, comparadas com as que têm tido nos últimos trinta anos.

11 – A esperança média de vida dos Portugueses terá descido entre 3 e 5 anos.

12 – E assim, a Segurança Social, nessa altura também já privatizada, será um inesgotável e fabuloso negócio.

É para aqui que está a ir o País.
Se não for, em 2020 pedirei desculpas por ter-me enganado.

Domingos Figueiredo
Alverca do ribatejo
Sr. Comandante, li o seu texto.

espero que tenha lido (e apreciado) o meu "retrato político" do candidato. É um excerto da crónica de Miguel sousa Tavares de 3 de Outubro de 2009, e parece-me das melhores coisas que têm sido escritas sobre "sua alteza, a donze-la-imaculada-qu-não-fala-co-estranhos.
Sobretudo, vindo de Miguel Sousa Tavares.

penso que as pessoas que pensam como nós, deviam dar o máximo de "movimento" ao "retrato".

Amanhã vou digitalizá-lo integralmente e neviar para aqui.

No Coment anterior, inseri um texto meu que foi publicado no Diário de Notícias em Fev.2008 e no Público em Outubro (?) de 2010.

O candidato, na passagem de ano de 2008, aproveitou a contestação que grassava pelo Norte por causa do encerramento das maternidades, para se pôr em bicos de pés e eu respondi-lhe assim.

Tenha um Bom Dia.
Um País Cor de Burro Quando Foge

http://www.blogger.com/post-edit.g?blogID=30940060&postID=5356474190371416126
Meu caro: excelente síntese!
«Populismo» e mais «demagogia» em doses macissas! enfim um cocktail nada recomendável a um país doente...

Alertas, onde estão eles? Convocou o Conselho de Estado para dar esses alertas? Fê-lo por causa da questão menor dos Estatutos dos Açores...
Alertou publicamente para a corrupção na banca?
Alertou para a necessidade de criminalizar o enriquecimento ilícito?
Nada fez que invertesse o rumo das coidsas no que tiveram de pior!

«Não comento, não comento!...» é uma atitude manhosa, esfíngica procurando driblar as perguntas incómodas que, de uso tão frequente, já roça o anedótico!!!
carlo said…
lamentavelmente, este artigo de opiniao nao devia ter sido publicado em blogue. do meu ponto de vista devia, isso sim, ter sido publicado na imprensa nacional.
O candidato da "coelha nostra",

veio manifestar a sua preocupação sobre se «as imagens desta massa humana que me acompanham, estarão a chegar a casa dos portugueses através da comunicação socila»

É preciso não ser deste mundo!!!

Então o candidato não sabe que as multidões apoiantes servem apenas para manifestarem o seu apoio aos candidatos e para lhes darem ânimo?

Isto é claro, quando são «massas humanas» que se juntam à espera dos candidatos.

As «massas humanas que (o) acompanham»... ele lá saberá... para o que servem...

Mas então o candidato ainda acredita em carneiradas?
Ainda acredita que alguém decide o seu voto em frente à televisão por ver mais ou menos gente junto de um candidato?

Quem é que vota nesta criatura?
Cavaco Silva e o Serviço Nacional de Saúde (II)

Com a chegada das administrações hospitalares aos Hospitais Públicos depois das alterações da Lei feitas por Cavaco Silva em 1988, aconteceu de tudo:

1- No Norte de Portugal, um hospital teve a um conselho de administração presidido por um professor primário reformado;

2- Outro hospital, foi entregue a um fabricante de facas;

3- Outro, foi entregue a um homem que era conhecido pelas bebedeiras que carregava a qualquer hora;

4- Cozinhas e lavandarias, e até as morgues (1) , foram entregues a empresas, algumas de competência mais que duvidosa;

5 - Reciclagem de resíduos sólidos hospitalares, formam entregues a empresas, algumas sem qualquer competência, cujas acções acabaram em processos criminais por crimes contra o ambiente e a saúde pública (foram encontradas centenas de toneladas de lixos infectos que o Estado pagou para serem queimados, abandonados em velhos armazéns de fábricas desactivadas);

6- Os Administradores Hospitalares de carreira, foram, em alguns casos, completamente desautorizados e substituídos por pessoas, cuja única “competência” era o cartão do PSD;

(1) – Uma morgue de um Hospital no Alentejo, foi concessionada à exploração de um homem que era o habitual fornecedor de batatas para o Hospital. A canalhagem acabou, no dia em que faleceu o pai de um médico do hospital e lhe exigiram 15 contos (se a memória me não engana) para levantar o corpo do pai.

(2) Veio tudo nos jornais da época,

(3) Isto, para não falar nos doentes que morreram, por fazerem hemodiálise em aparelhos com a tecnologia aldrabada… para poupar na despesa.
Já ninguém se lembra?
Foi assim, até que, em 1995, o cavaquismo governante desapareceu … no fuma das suas trapalhadas…

É a isto que Cavaco chama “estado social”?

PS: O Diário de Notícias de hoje, 16 de Janeiro de 2011, conta a história de uma idosa sem abrigo, que morreu de frio à porta de uma "instituichãojinha" de apoio aos pobres dessas que pululam por aí, porque foi castigada por se ter esquecido de cumprir uma regra da casa: entregar a chave de um cacifo antes de sair, de amnhã.

É a isto que Cavaco chama

“estado social”!!!
Cavaco Silva e o Serviço Nacional de Saúde (II)

Com a chegada das administrações hospitalares aos Hospitais Públicos depois das alterações da Lei feitas por Cavaco Silva em 1988, aconteceu de tudo:

1- No Norte de Portugal, um hospital teve a um conselho de administração presidido por um professor primário reformado;

2- Outro hospital, foi entregue a um fabricante de facas;

3- Outro, foi entregue a um homem que era conhecido pelas bebedeiras que carregava a qualquer hora;

4- Cozinhas e lavandarias, e até as morgues (1) , foram entregues a empresas, algumas de competência mais que duvidosa;

5 - Reciclagem de resíduos sólidos hospitalares, formam entregues a empresas, algumas sem qualquer competência, cujas acções acabaram em processos criminais por crimes contra o ambiente e a saúde pública (foram encontradas centenas de toneladas de lixos infectos que o Estado pagou para serem queimados, abandonados em velhos armazéns de fábricas desactivadas);

6- Os Administradores Hospitalares de carreira, foram, em alguns casos, completamente desautorizados e substituídos por pessoas, cuja única “competência” era o cartão do PSD;

(1) – Uma morgue de um Hospital no Alentejo, foi concessionada à exploração de um homem que era o habitual fornecedor de batatas para o Hospital. A canalhagem acabou, no dia em que faleceu o pai de um médico do hospital e lhe exigiram 15 contos (se a memória me não engana) para levantar o corpo do pai.

(2) Veio tudo nos jornais da época,

(3) Isto, para não falar nos doentes que morreram, por fazerem hemodiálise em aparelhos com a tecnologia aldrabada… para poupar na despesa.
Já ninguém se lembra?
Foi assim, até que, em 1995, o cavaquismo governante desapareceu … no fuma das suas trapalhadas…

É a isto que Cavaco chama “estado social”?

PS: O Diário de Notícias de hoje, 16 de Janeiro de 2011, conta a história de uma idosa sem abrigo, que morreu de frio à porta de uma "instituichãojinha" de apoio aos pobres dessas que pululam por aí, porque foi castigada por se ter esquecido de cumprir uma regra da casa: entregar a chave de um cacifo antes de sair, de amnhã.

É a isto que Cavaco chama

“estado social”!!!
A "maré humana" da "Coelha Nostra".



"Eu não sei se as imagens desta maré humana que me tem acompanhado chegam a casa dos portugueses através da comunicação social, ou se estão ou não a ser escondidas. É qualquer coisa que eu não sei, porque não acompanho hoje o dia-a-dia da comunicação social",
(Sapo)
http://presidenciais2011.sapo.pt/info/artigo/1121594.html

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…