Skip to main content
O FIM DA LINHA

Quando estamos muito próximos do fim de 2010, podemos fazer uma brevíssima pausa para olhar, e apenas de relance, o nosso passado recente e, em consequência, imaginarmos o que poderá ser o nosso futuro próximo.

Não fomos dignos da herança que outros nos legaram. Vilipendiámos sãos princípios e boas regras. Abjurámos os melhores sentimentos que alimentavam com orgulho a alma lusa.
Merecíamos tal condenação?
Não a merecia certamente o povo português, intrinsecamente honesto, mais acomodado que pacífico, trabalhador e confiante. Alguém - muitos alguéns - o traiu!

Alegam agora os maiores culpados - governantes, políticos e muitos gestores e empresários - que todos os males que nos entorpecem o viver - a "crise" violenta - se devem àquela que foi a crise internacional, o que é redondamente falso.
João Salgueiro - economista que dispensa apresentação - é claro: "a origem da crise remonta, pelo menos, a 1995", sendo ultimamente muitíssimo agravada com os desmandos a rodos, as intrujices e a verdade constantemente negada.
Será bom reter-se a data: 1995, ou antes! Ela representa um marco indelével na política portuguesa, e poderia muito bem ser o ponto de partida para a análise dos sucessivos erros (chamemos-lhe apenas erros) que se cometeram - e que depois se agravaram -,colocando os portugueses (indefesos uns, outros coniventes e oportunistas) à margem dos seus legítimos interesses, que são os interesses do país.

Continua a acelerar-se a descida para o negro abismo, social, económico e político, sem que surja a palavra promissora e a acção determinante para travar e eliminar os sucessivos descalabros, aprimorados com inaudita desfaçatez e sem resquícios de honra.

As próximas eleições presidenciais poderiam ser uma razão excepcional para um desejado ponto de viragem. Para o recomeço necessário e que tanto merecemos.
A esperança não é grande. Pelo que tenho visto e pelo que conheço - e sei que não me engano nem tenho dúvidas -, o que teria de ser feito foi mantido afastado da orientação desejada.

Voltarei ao assunto, antes de se chegar ao fim da linha!

Comments

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…