Skip to main content
EXEMPLOS DO PARLAMENTO

Os deputados da Assembleia da República estão prestes a irem de férias, que a muitos estão a fazer imensa falta, seja pelo trabalho (alguns), seja para refrescarem a cabeça (outros).
Este primeiro ano desta legislatura, pelos muitos exemplos de falta de ética, de educação e de cidadania, seria um ano para esquecer. Mas o recomendado é que não se esqueça(m), a ver se não se repetem as cenas e os casos que desprestigiam o nosso Parlamento.

As duas mais visíveis e prolongadas Comissões de Inquérito não conduziram a coisa nenhuma, e serviram de palco a cenas degradantes de comportamento e à revelação mais que evidente da defesa de interesses partidários em vez da procura da verdade, sendo essa a missão que lhes foi confiada. E nesses espectáculos valeu quase tudo!

"Mentiroso! o senhor deputado é mentiroso!", atirou alto e claro João Semedo, deputado do BE, a um deputado do PS que mandara uma "sentença", sem nunca provar a sua veracidade, mesmo sob insistência. Ficou-lhe o rótulo de mentiroso. Um deputado da Nação, mentiroso!

Depois, há o já tristemente célebre caso do deputado roubador de gravadores (ou telemóveis) de dois jornalistas da "Sábado". O mais grave é que até hoje - mesmo que a questão esteja a seguir as vias legais - o deputado Ricardo Rodrigues, proeminente figura do grupo parlamentar do PS, não fez aquilo que devia ter feito de imediato após o vergonhoso descalabro: resignar ao cargo ou, tendo demasiado apego ao lugar, pedir a suspensão do mandato até se clarificarem as coisas. Nada disto tendo acontecido, cada vez mais lhe assentam melhor as palavras que Miguel Esteves Cardoso lhe dirigiu - e bem - na sua crónica do "Público" (26.05.2010):
"Ricardo Rodrigues pode ser inocente de tudo. Menos de uma coisa. É ladrão. É ladrão. É ladrão".

Comments

Meu caro,

Ladrões e mentirosos há-os em todo o lado. Mas no parlamento eles têm imunidade.
O país, esse, não ficou chocado, este é um país de «larápios»... já no tempo do cônsul romano que deu origem ao termo...

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…