Skip to main content
PROFISSÕES

Há novas oportunidades para novas profissões, em tempo de crise, que aumenta o engenho!

Os cursos superiores não sofrem reorientação: os mesmos números (ou mais), nos mesmos cursos. Ainda que só sirvam para engrossar as filas no desemprego.

Médicos, engenheiros, advogados, banqueiros, economistas, e outros assim, melhoram o estatuto das profissões em que se formaram, adoptando uma profissão da moda: gestores muitíssimo bem pagos.

Melhor que tudo isso é ter a profissão de investidor. Não faz calos nas mãos. Não tem patrão. Não tem empregados. E impostos poucos. É rico.

Comments

Permita-me discordar.

Ser investidor exige estudos profundos, auscultações de mercado, estudo do meio, análises prospectivas, enfim, toda uma vasta gama de acções que, por vezes, conduzem a desastres irreparáveis se os dados em apreço estiverem viciados ou falseados intencionalmente.

Veja no que se meteu o Cadilhe quando foi para o BPN!

Talvez uma bruxa o tivesse levado para outras vias... mas, apesar de tudo, ganhou muito... só que a coisa estava preta... logo à partida.
Caro Rouxinol,

Não posso deixar de estar de acordo.

A "alfinetada" não resultou. Devia ter sido mais claro e ter aprofundado as questões, que são várias e dão pano para mangas.
Ser ex-Militar é o que está a dar...Ou melhor..refractário e heroi nacional candidato a PR...com direito aaposentadoria e tudo...de preferência que seja de Abril...porque os de Maio parece que estão fora de prazo... Lá diz o ditado " Maio é omês dos Burros"...
Caro Rouxinol,
Releio o MEU comentário e noto imprecisão: deve ler-se " a MINHA "alfinetada" não resultou.EU devia...

Cumprimentos.
Caro Renato,
Não podemos meter tudo no mesmo saco.
Ex-militares foram quase todos os portugueses até ao 25 de Abril. Não o são aqueles intelectuais que "fugiram à tropa" e foram estudar para a estranja; desses "patriotas" ninguém fala, pelo contrário, até são altamente apreciados, e são putativos candidatos a PR.
Herói nacional? A que título?

Sobre esta "matéria", o que eu penso é que havia de existir a coragem de, uma vez por todas, por tudo em pratos limpos. Sem retaliações de qualquer espécie. Todos teríamos a ganhar com isso.
CÁ FICO said…
Caro Comandante: Não quero atacar ninguém da Marinha, nem a Militar, nem a Mercante, Piscatória ou Diletante...nem a Força Aérea Civil ou Militar... e muito menos a Tropa Macaca, feijão verde, eos seus mancebos e pró e pré-recrutas...Também não quero atacar aqueles que ficaram livres do serviço militar obrigatório quer por precisarem de tónico, por falta de tamanho, visão, audição ou outra deficiência ou que tiveram esperteza suficiente par "pagar" a INAPTIDÃO para o serviço militar ou outra qualquer situação...Eu também sou um refractário ao serviço militar de uma das minhas Várias Pátrias...
Não acho que um militar seja uma coisa nojenta, por muito injustas que possam ser as guerras em que se defronta com o inimigo...Nem me repugna..antes pelo contrário... a figura do mercenário...Repugnante é o refractário, o soldado, o militar que trai os seus antigos companheiros...Repugnante é a Traição... e daí ainda se arvorar em heroi...Quanto à questão de ser de Abril 25 ou de Maio 28, isso é secundário...

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…