Skip to main content
OPINIÕES E LEITURAS

Para algumas pessoas é tarefa fácil participar num debate, para se discutir um assunto que seja importante ou que esteja na moda. Basta que o falador debite umas frases - quase sempre frases feitas -, de preferência bombásticas.
Sem provar nada.
Quando as justificações não são apresentadas, por manifesta incapacidade, e os argumentos dos restantes debatedores não são tidos em conta, por não falarem tão alto ou se os ouvidores forem quase surdos, o resultado está feito. E, muitas vezes, conseguido.
Assim, o que fica, o que prevalece, é uma opinião distorcida da realidade, que sobra como sendo a verdade.
Pior que na rádio, são alguns destes tipos de debate na televisão: além da voz, fica a imagem, que chega a agredir, antes de se mudar de canal...

Coisa semelhante acontece nos artigos de opinião nos jornais, especialmente quando os seus autores são os "profissionais" da opinião (pagos), os "espontâneos" ou os "contratados" (testas de ferro).
Opiniões são opiniões, e cada um deverá ter a sua. Que merecerá ser acompanhada de justificação, nem sempre feita. São, nestes casos, opiniões que, em boa verdade, só servem para ocupar espaço e confundir as ideias. São opiniões descartáveis. Sem interesse.

Muito pior ainda é quando a "lição" é baseada em números. Para além dos pontos de vista, naturalmente discutíveis, há a questão da rigidez dos números, que é incontornável. Nada a fazer! Zero é zero!
Exemplos há-os de todo o género, sobretudo quando os "jogadores" são políticos, ou "leais servidores".
O que ganham, com isto, os leitores de tais testamentos? Nada!

Há quem aconselhe: num caso e noutro, o melhor é não ouvir nem ver, e não ler. E será, sem dúvida, um bom conselho, se não nos quisermos incomodar ou irritar, ou para não nos sentirmos obrigados a responder à letra.

Comments

O GRANDE problema da nossa comunicação social é que em vez de nos transmitir noticias com factos transmite-nos opiniões sem noticias...
Caro Renato,

De acordo.
Mas os problemas não se quedam por aqui.

Popular posts from this blog

NOVA PROFISSÃO

NOVA PROFISSÃO

     Na montra da loja de produtos de beleza e higiene (perfumes, sabonetes e alimentos para gatos), a folha branca A4 anuncia, em letra bem desenhada: "Precisa-se de Colaboradora".
Apenas isso: colaboradora! Mulher, portanto. Para mais informações haveria que investigar, eventualmente, no interior da loja.

     Várias opções seriam possíveis, supõe o anúncio:
 - Um lugar junto da gerência, colaborando com ela, e a quem daria o saber e experiência adquiridos.
 - Conselheira - uma colaboração inestimável - sobre as tendências da moda: novas fragrâncias e raças de gatos.
 - Responsável pela gestão dos recursos humanos da loja - colaboração essencial para o elevado padrão de desempenho do pessoal, visando o aumento da produtividade.
 - Colaborando na representação da empresa (várias vezes premiada) em eventos de promoção das marcas de excelência que muito contribuem para o crescimento da economia nacional.
 - Colaborar na área da fiscalidade, para que tudo bata …

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…