Skip to main content
OS SUPERIORES INTERESSES

O terminal do Metro (Linha B/Vermelha) queda-se na entrada da cidade da Póvoa, a Sul, e sem estacionamento, como há nas outras estações, doutros concelhos, o que só se pode entender pela incapacidade ou desinteresse da nossa autarquia, sem exclusão doutras razões. Disso não há dúvidas!
O concelho da Póvoa não tira do metro os benefícios que devia tirar.

No fim da viagem,quem reside na cidade pode ir a pé para casa. Quem vive fora, que se amanhe.
Houve oportunidade para apresentar ideias à Metro do Porto, no início do projecto, e houve mais que tempo para reivindicar a satisfação das pretensões da população poveira. Nunca o fizeram, mesmo estando a autarquia englobada no conjunto dos decisores.

Em 2004, numa reunião com a Administração da Metro do Porto, apresentámos a questão da viabilidade de fazer chegar a Linha B até Barreiros, onde passaria a existir um centro intermodal, servindo dessa forma os interesses dos poveiros, da cidade e principalmente as populações do concelho. Houve concordância, da parte da Administração; faltava apenas a Autarquia apresentar o projecto, para avaliação.

A Autarquia poveira - o mesmo PSD - foi mais além (relato de memória o que se ouviu na Assembleia Municipal): que já havia estudos nesse sentido, faltando apenas o sim da Administração do Metro!
Mentira!
E até hoje, nada.

Compreende-se o "problema" criado pela antiga Garagem Linhares, e estou de acordo com a ideia do aproveitamento desse espaço (para galerias, lojas, etc.) e saída para a Praça do Almada. Mas essa ideia não é de génio, é apenas vulgar.
E mesmo havendo aquele "problema", nada impediria que se fosse tentando, ao longo dos anos já decorridos, prolongar a Linha B até Barreiros.
Nada disseram e nada fizeram!

Nesta última grande invernia, de inundações, alguém levantou publicamente a questão da imagem degradante para a cidade provocada pelo péssimo estado, de abandono, dos terrenos enlameados próximos da estação terminal, e dos muitos incómodos causados aos passageiros. Foi pedida a intervenção da Câmara Municipal para conseguir uma solução.
Em Fevereiro passado agiu a Autarquia - leu-se nos jornais - com reacção tardia e discurso gasto, a que nos fomos habituando. Seria tempo de acabar com patranhas...

A Folha Municipal (23 mil exemplares) de Abril abre com um textinho e três esclarecedoras fotografias, a encherem a primeira página. É propaganda já há muito fora de moda, que já não regista, sequer, a realização das reuniões do Executivo.
As imagens pretendem mostrar que os três principais membros do executivo camarário, enfarpelados de fatinho domingueiro e sapato fino, tomaram conhecimento da situação, no local. Ficou registado o acto.
Do textinho retiro dois dados importantes: 1) o estacionamento previsto para 300 viaturas nos terrenos encostados à estação; 2) que na questão do prolongamento da estação até à antiga Garagem Linhares, a ideia não é prolongar a linha.

Agora está tudo claro. Com ditos e desditos, chega-se à verdade final: o metro continuará a vir morrer à entrada da cidade!
"Isto vai acontecer, porque é o superior interesse da cidade", declarou o Presidente da Câmara Municipal, Macedo Vieira (in Folha Municipal, nº 162).

Comments

Como estamos fartos de dizer a Póvoa não sente as freguesias, ou vive para dentro do seu umbigo que é apraçaio do almada e arua da junqueira até à avenida dos banhos...Casino/Piscinas Junqueira/praça do Almada é acruz de elição...tudo o mais é paisagem...Só servem para pagar contribuições e outros encargos exorbitantes...
Ficará para as calendas...
Renato Pereira,
É uma tristeza confrangedora o permanente "estado de alma" das populações das freguesias, de quem os governantes fazem gato-sapato,e ainda têm de volta os seus votos, agradecidos...
A grande cruzada são as freguesias, se é que ainda se acredita nalguma coisa.
Rouxinol de Bernardim,
Dá para perguntar o que é que esta gentinha medíocre pretende fazer quando se propõe para os cargos e, depois, o que pensa dos interesses dos cidadãos!

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…