Skip to main content
OS SUPERIORES INTERESSES

O terminal do Metro (Linha B/Vermelha) queda-se na entrada da cidade da Póvoa, a Sul, e sem estacionamento, como há nas outras estações, doutros concelhos, o que só se pode entender pela incapacidade ou desinteresse da nossa autarquia, sem exclusão doutras razões. Disso não há dúvidas!
O concelho da Póvoa não tira do metro os benefícios que devia tirar.

No fim da viagem,quem reside na cidade pode ir a pé para casa. Quem vive fora, que se amanhe.
Houve oportunidade para apresentar ideias à Metro do Porto, no início do projecto, e houve mais que tempo para reivindicar a satisfação das pretensões da população poveira. Nunca o fizeram, mesmo estando a autarquia englobada no conjunto dos decisores.

Em 2004, numa reunião com a Administração da Metro do Porto, apresentámos a questão da viabilidade de fazer chegar a Linha B até Barreiros, onde passaria a existir um centro intermodal, servindo dessa forma os interesses dos poveiros, da cidade e principalmente as populações do concelho. Houve concordância, da parte da Administração; faltava apenas a Autarquia apresentar o projecto, para avaliação.

A Autarquia poveira - o mesmo PSD - foi mais além (relato de memória o que se ouviu na Assembleia Municipal): que já havia estudos nesse sentido, faltando apenas o sim da Administração do Metro!
Mentira!
E até hoje, nada.

Compreende-se o "problema" criado pela antiga Garagem Linhares, e estou de acordo com a ideia do aproveitamento desse espaço (para galerias, lojas, etc.) e saída para a Praça do Almada. Mas essa ideia não é de génio, é apenas vulgar.
E mesmo havendo aquele "problema", nada impediria que se fosse tentando, ao longo dos anos já decorridos, prolongar a Linha B até Barreiros.
Nada disseram e nada fizeram!

Nesta última grande invernia, de inundações, alguém levantou publicamente a questão da imagem degradante para a cidade provocada pelo péssimo estado, de abandono, dos terrenos enlameados próximos da estação terminal, e dos muitos incómodos causados aos passageiros. Foi pedida a intervenção da Câmara Municipal para conseguir uma solução.
Em Fevereiro passado agiu a Autarquia - leu-se nos jornais - com reacção tardia e discurso gasto, a que nos fomos habituando. Seria tempo de acabar com patranhas...

A Folha Municipal (23 mil exemplares) de Abril abre com um textinho e três esclarecedoras fotografias, a encherem a primeira página. É propaganda já há muito fora de moda, que já não regista, sequer, a realização das reuniões do Executivo.
As imagens pretendem mostrar que os três principais membros do executivo camarário, enfarpelados de fatinho domingueiro e sapato fino, tomaram conhecimento da situação, no local. Ficou registado o acto.
Do textinho retiro dois dados importantes: 1) o estacionamento previsto para 300 viaturas nos terrenos encostados à estação; 2) que na questão do prolongamento da estação até à antiga Garagem Linhares, a ideia não é prolongar a linha.

Agora está tudo claro. Com ditos e desditos, chega-se à verdade final: o metro continuará a vir morrer à entrada da cidade!
"Isto vai acontecer, porque é o superior interesse da cidade", declarou o Presidente da Câmara Municipal, Macedo Vieira (in Folha Municipal, nº 162).

Comments

Como estamos fartos de dizer a Póvoa não sente as freguesias, ou vive para dentro do seu umbigo que é apraçaio do almada e arua da junqueira até à avenida dos banhos...Casino/Piscinas Junqueira/praça do Almada é acruz de elição...tudo o mais é paisagem...Só servem para pagar contribuições e outros encargos exorbitantes...
Ficará para as calendas...
Renato Pereira,
É uma tristeza confrangedora o permanente "estado de alma" das populações das freguesias, de quem os governantes fazem gato-sapato,e ainda têm de volta os seus votos, agradecidos...
A grande cruzada são as freguesias, se é que ainda se acredita nalguma coisa.
Rouxinol de Bernardim,
Dá para perguntar o que é que esta gentinha medíocre pretende fazer quando se propõe para os cargos e, depois, o que pensa dos interesses dos cidadãos!

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…