Skip to main content
SALPICOS (7)



1. Muito criticada tem sido a política (?) de cultura na Póvoa de Varzim, baseada na atribuição regular de subsídios. O Festival Internacional de Música é uma excepção (e poderá melhorar com espaço adequado).



Um dos permanentes abonados é o Octopus (tem sócios?), um Grupo de Investigação Científica e Animação Cultural. A dádiva valeu, desta vez, 11 mil euros, mas desconhece-se o objecto da Investigação...Científica!



2. Um novel candidato a presidente de Junta de Freguesia do nosso concelho, pelo PSD (um raríssimo caso de substituição), apresentou como a mais importante acção no mandato, caso seja eleito, PRESSIONAR a Câmara Municipal para ALTERAR o PDM, de forma a conseguir mais construção.



A intenção pode ser boa, mas é um mau indício. O PDM é discutido com a população e deve seguir as linhas mestras do ordenamento e desenvolvimento estratégico do concelho. A Câmara Municipal coordena e a Assembleia Municipal aprova.

São efeitos do (mau) hábito: o PDM poveiro, cozinhado para satisfazer interesses e se mantém fechado a sete chaves, desenrola-se sob pressão. Exemplos disso não faltam.

Comments

Camara ou "panela de pressão"?!
Caro Rouxinol,
...e pode explodir, a panela de pressão! E em havendo nela cozinhados estranhos, poderemos vir a ter um sério problema ambiental.
Será que na panela se confecciona polvo? Ou será escorpião?
Rui said…
Não sou apoiante do Munícipio, pelo contrário, nem tenho qualquer interesse em polvos ou fanecas quando não estou à mesa, mas aborrece-me, lá isso aborrece-me, que se queira enxovalhar uma associação que quer apenas que os poveiros vejam uma mancheia de filmes todos os meses. Anda tudo tão inquinado e formatado nesta cidade que quando vem nortada vai tudo à frente no bota-abaixo provinciano.
Embora não faça parte da Direcção, nem tenha procuração da mesma para a defender e sendo apenas sócio, devo dizer que o Octopus tem sócios que continuam a frequentar as sessões.
O Octopus continua a existir em condições difíceis que só se justificam pela paixão e gosto pelo cinema dos seus elementos, quando é a única "sala de cinema" da Póvoa. Só por má-fé se atira a acusação sobre o destino do dinheiro entregue ao Octopus para exibir semanalmente um filme e pagar as despesas correntes.
O Octopus costuma entregar o relatório e contas nas sessões e não é preciso ser muito dotado para perceber que o dinheiro se destina, na quase totalidade, ao pagamento dos filmes. As pessoas envolvidas na associação fazem-no sem qualquer remuneração e não consta que andem a divertir-se com o dinheiro, como a sua afirmação rasteira deixa no ar.
Se conhecesse um pouco da história do Octopus percebia a designação que se mantém desde a sua criação. Não acho que se justifique estar a alterar o nome, quando apenas está em actividade o cineclube. O nome ficou e acho que deve permanecer como património, onde a designação tinha as conotações que os fundadores da altura entenderam…
Não é a primeira vez que se ataca o Octopus por receber um subsídio que apenas serve para que a cidade tenha cinema pelo menos uma vez por semana. No dia em que a Câmara cortar esse dinheiro o Octopus deixa de poder exibir filmes. É tão simples quanto isto. Se calhar, nessa altura, a Câmara é atacada por deixar cair a única oportunidade de ver cinema na cidade. Fica a faltar atacar o cineclube pelo lado dos “intelectuais” que andam a desperdiçar os dinheiros públicos para ver filmes que ninguém vê. Poupe-me a isto…
Para terminar, as sessões são abertas a todos, com pagamentos diferentes para sócios e não-sócios. Os filmes programados estão aqui http://cineclubeoctopus.blogspot.com/
Apareçam e tragam uma bandeira…do cinema.
Rui Capela
O Octopus tem história...Etemfeito muito pela Cultura poveira...outro tanto não se diga de algumas mais tradicionais e que menos fazem que as das "aldeias", mas porque "teóricamente" estão na freguesia da povoa de varzim são discriminadas positivamente...

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…