Skip to main content

T G V

Uma vez que os adultos não entendem esta coisa do TGV - em português poderia ser CAV, Comboio de Alta Velocidade -, se explicarmos às criancinhas elas perceberão e até poderão dar a sua opinião: qualquer coisa do género "tenham mas é juízo".

Então, crianças, prestem atenção!

Em Portugal dispensa-se o TGV, e nunca se deveria ter pensado nele (a propósito da crise económica é que , só agora, se despertou o debate!). O que é necessário e urgente é terminar (e prolongar) o projecto do Alfa, quase tão rápido como o TGV, e refazer a rede ferroviária que se destruiu.

O TGV iria servir apenas para ligar Lisboa e Madrid, o que, mesmo em tempo de "vacas gordas", não teria justificação.

Há companhias aéreas, como a TAP e a Ibéria, com várias ligações diárias entre as
duas capitais. Agora surge a notícia que a Air Europa vai passar a ligar Lisboa-Madrid quatro vezes por dia, em cada um dos dois sentidos, com voos cerca das 8h, 12h, 16h e 20h; o preço previsto será de €10 (mais taxas).

O pretenso TGV (para nos ligar à Europa?!), caro, iria transitar nos intervalos de tantos voos e...vazio!

Comments

CÁ FICO said…
ora...
É caso para repensar muita coisa.

O longo prazo poderá ter que se submeter ao curto prazo...
roscamoida said…
confesso que a minha formação é muinto básica,mas estou em desacordo com o (comandante)e pergunto?será que quando se fizeram as grandes obras, os grandes monumentos que á em portugal, em que o povo passava fome, andava descalso, havia dinheiro? estas (obras) mais tarde ou mais cedo iram ser feitas.
Roscamoida,
A dúvida é legítima!
Houve tempos duríssimos durante os quais se construiu o maior programa naval português(década de 30),para espanto de nações bem mais ricas. O portugueses compreenderam e colaboraram no programa! E porquê? Porque sabiam que esse esforço era necessário para Portugal garantir a sua soberania e marcar a sua independência. E conseguiu!
A situação agora é bem diferente. E é nesta diferença que se deve basear o nosso pensamento.

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…