Skip to main content

Posts

Showing posts from May, 2009
O LODAÇAL

Não é preciso chover picaretas, nem é preciso pôr os sapatos no pântano, para ficarmos cobertos de lama. A lama cerca-nos. A lama inunda-nos.

Para se ficar lamacento basta termos uma sociedade conspurcada por maus princípios; basta a imagem com que se apresentam os que sistematicamente ignoram Valores, e com isso nos ofendem.
Chega de atitudes de irresponsabilidade consciente, porque erros que cometem servem propositadamente alguém.
A omissão, reconhecida por todos, passa impune.

Estas "qualidades" de portugueses, que abusam do poder e de poderes que lhes outorgaram, tentam estrangular o ânimo de quem quer ser, por direito, cidadão em toda a sua plenitude.

É esta lama que cobre uma sociedade com tendência a apodrecer e que descredibiliza as instituições.

Hoje sacudi de mim um pouco de lama!
O Dr. Dias Loureiro renunciou ao seu cargo no Conselho de Estado!
Não por uma questão de dignidade, porque há muito a perdeu.
Não por p…
AS ÁRVORES E AS CAUSAS

Uma instituição bancária promoveu, em Portugal, a reflorestação de 15 hectares de terreno com 15 mil árvores!

No concelho da Póvoa de Varzim, que já teve áreas enormes de mata (ou floresta), tem-se levado a cabo, nos últimos anos, precisamente o contrário daquela campanha: a destruição da floresta!
Se na cidade o abate quase total de árvores alimenta interesses próprios, com a falsa justificação do alindamento da urbe, já a paulatina destruição da floresta no concelho vai por outros caminhos, mas igualmente apadrinhado por autarcas.

Sabe-se que esta questão das árvores "toca" a sensibilidade camarária, se não veja-se a distribuição de folhetos e as "campanhas de sensibilização" da população, sobretudo das crianças.
Faz-se uma festa para iludir a realidade! E para mentir!

Estou como aquela instituição bancária, que diz: "as causas tocam-nos; as causasque nos importam".

E nós, poveiros, temos causas?

Por …
SALPICOS (3)

Póvoa de Varzim: dia de sol, à beira-mar (sem mamarracho).
O mar é quase azul - foi o nosso mar!

Apetece-me comer sardinhas.

Não é tarde nem é cedo! Vou num instante a Matosinhos.
Deliciar-me com sardinhas assadas...

Depois conto.

<:AtomicElement>
ESCLARECIDOS E ENGANADOS

1. Já se previa: com tão poucas questões sobre o Plano de Pormenor da Zona E54 levantadas pelos presentes no Auditório Municipal - casa cheia não é sinónimo de grande representação da população - a conclusão haveria de ser "como se vê, não há nada a alterar"; assim dissera o gestor-mor da cidade.
Mais uma vez a "bola" ficou do lado da população poveira!

Esta sessão começou por um equívoco, já anunciado: os pormenores técnicos do Plano de Pormenor só deveriam ser discutidos depois de se conhecer o plano geral e o seu enquadramento na estratégia de desenvolvimento urbanístico da cidade. Contra esse equívoco, muito poucas vozes se fizeram ouvir.
Com esta forma unilateral de procedimento, a Câmara Municipal cometeu um crime de lesa-democracia. Confirmou-se, aliás, o que já há muito se sabe!

2. O debate público organizado pelo Partido Socialista, na Biblioteca Municipal - um acto de cidadania - foi esclarecedor. Nenhum outro par…
LAMENTO MUITO !

Ao que chegamos! O Estado, pela pessoa do Instituto do Turismo, deve um porradão de massa à Câmara Municipal da Póvoa de Varzim - segundo o vereador da animação e desenvolvimento sócio-económico - o que levou a ter que se cancelar todos os grandes eventos para o Verão deste ano (musicais e radicais).

Não é que a Câmara esteja falida, como muitos maldosamente apregoam, porque "a saúde financeira é boa", e tanto assim que houve dinheiro à fartazana para pagar os dois concertos (?) à volta do Dia da Paz, que foi uma quinzena...

Por causa dos calotes que nos pregam - a nós, que somos de contas! - não haverá crescimento da nossa economia, o barulho vai extinguir-se, e o magnífico "escorrega" da lota (único no noroeste peninsular) ficará às moscas.

Proponho uma solução para esta crise.

Façam-se parcerias e estabeleçam-se protocolos com as câmaras municipais vizinhas, do interior, a quem se cedem os espaços e as programações já pre…