Skip to main content
ESPERANÇA DE ABRIL

Em 25 de Abril de há 35 anos - uma grande parte da população portuguesa não era nascida! - acordámos numa madrugada de esperança para um Portugal novo.
De mãos dadas, o Povo quis agarrar o seu futuro e alcançar aquilo que durante décadas não passara de uma miragem: a Democracia!
Democracia, um dos Ds do nosso renascimento!

O Poder Local - a base do Poder - representava o sustentáculo da esperança desejada. Os Municípios traduziam a vontade das populações, que depositaram nos seus representantes - paladinos da Democracia, empenhados em servir os seus concidadãos - a total confiança para gerirem os seus destinos.

Foi justamente o Poder Local - mais próximo do Povo - que mais fez para ruir os sonhos, porque num grande número de Autarquias se trairam ideais e se deixaram de cumprir os juramentos que se fizeram. As excepções honrosas, neste quadro vergonhoso, ficam como a réstea da esperança que ainda temos.

Muitos autarcas portugueses encontraram no Poder Local, como objectivo primeiro, a melhor e a mais fácil forma de enriquecimento, em particular naqueles municípios onde não existe (nem se fomenta) cultura cívica.
Para esses, o Abril que festejamos nunca existiu!

Comments

terramar e ar said…
o Poder local? quase sempre esteve na mão de alguns caciques que vão se mantendo embor alguns mudem de cõr......e ainda continua em grande parte a faltar democracia...e com o beneplacito quer do ps ou do psd ou de qualquer outro partido que elege esses senhores...
O 25 de abril não foi uma revolução mas sim uma revolta de capitães--- a giria chama-lhes os puros contra os espúrios...

coisa diferente é o que se lhe segue...e o aproveitamento politico que o programa do mfa e da esquerda politica fazem daquela revolta....e cujo grande mentor foi o general Spinola - esse general foi a verdadeira cara de Abril...onde tudo o que se lhe seguiu se legitimou...
Abril tem de facto dois rostos: um, o da esperança numa autêntica Democracia, consubstanciando o desejo colectivo de todo um povo farto de ditadura, o outro , o da permissividade, do laxismo, do oportunismo.

Houve quem aproveitasse Abril para chicoespertices mil! Na política e no desporto a VERDADE anda arredia.
Cultiva-se a caça ao voto (e à vitória) sem olhar a meios. Quase toda a gente tem um preço. Os poucos que não alinham nesta farsa são tidos por «inadaptados», «marginais», quando não até «maledicentes» ou «ressabiados»...

Abril, o verdadeiro Abril, ainda não chegou a muitas terras onde campeia o salve-se quem puder, o despotismo bacoco de alguns sobas que, por vezes, até usam «cravo»... mas dão mais na ferradura que no cravo...
IN VERITAS said…
Abril continua a ser um embuste por outras vias..eh!eh!

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.