Skip to main content

Posts

Showing posts from April, 2009
INACEITÁVEL

Abriu em meados deste mês a consulta (discussão pública?!) do Plano de Pormenor para as zonas dos terrenos do Varzim e do Desportivo, e que se estenderá até meados de Maio. O espaço de um mês (dias úteis, horário de expediente...), como manda a Lei.
E só porque é a Lei que obriga, é que a excelentíssima Câmara se dignou pôr o processo à vista de quem o quiser consultar (já pronto). Se a Lei não obrigasse, nem sequer isso haveria!

Bom seria que o projecto tivesse sido apresentado, muito antes e nas suas linhas gerais, por exemplo à Assembleia Municipal (órgão máximo da Autarquia). Conhecer-se-ia então parte de um plano estratégico para o desenvolvimento da cidade, e a questão seria amplamente discutida, a bem da Póvoa.
Não quiseram fazê-lo.

Anunciam agora a apresentação pública (Salão Nobre, uns convidados, outros obrigados...), perto do fim do prazo.
A farsa do costume! Mais uma!
ESPERANÇA DE ABRIL

Em 25 de Abril de há 35 anos - uma grande parte da população portuguesa não era nascida! - acordámos numa madrugada de esperança para um Portugal novo.
De mãos dadas, o Povo quis agarrar o seu futuro e alcançar aquilo que durante décadas não passara de uma miragem: a Democracia!
Democracia, um dos Ds do nosso renascimento!

O Poder Local - a base do Poder - representava o sustentáculo da esperança desejada. Os Municípios traduziam a vontade das populações, que depositaram nos seus representantes - paladinos da Democracia, empenhados em servir os seus concidadãos - a total confiança para gerirem os seus destinos.

Foi justamente o Poder Local - mais próximo do Povo - que mais fez para ruir os sonhos, porque num grande número de Autarquias se trairam ideais e se deixaram de cumprir os juramentos que se fizeram. As excepções honrosas, neste quadro vergonhoso, ficam como a réstea da esperança que ainda temos.

Muitos autarcas portugueses encontra…
OS TOSTÕES DAS SOBRAS

Segundo a Lusa/Sol (14.04.2009):

Em tribunal, disse Isaltino Morais, Dr., presidente da Câmara Municipal de Oeiras, "não ter entregue ao Estado os montantes excedentes das campanhas feitas até 2001 - cerca de 400 mil euros -, sublinhando que esta era a 'prática comum em todos os partidos, em todos os concelhos', e por isso esses valores se destinavam à actividade política".

Sublinho: Todos os partidos! Todos os concelhos!

O ainda autarca foi Ministro das Cidades (quanta ironia!). Deve saber do que fala!

E ninguém se exclui daqueles TODOS ? Estão TODOS calados?

O silêncio é de morte. A impunidade é total.
HOJE HÁ PIRATAS

Roubaram, na Póvoa de Varzim, dois outdoors do Partido Socialista, colocados há cerca de uma semana.
Um acto de selvajaria.
Um acto de pirataria vagabunda.

A Póvoa NÃO é uma cidade de vândalos.
Mas tem vândalos.

A Póvoa NÃO é uma cidade de marginalidade.
Mas tem marginais.

A Póvoa NÃO é uma cidade de arruaça.
Mas tem arruaceiros.

A Póvoa NÃO é uma cidade de criminalidade.
Mas tem criminosos.

Os vândalos, os marginais, os arruaceiros, os criminosos, os piratas vagabundos, e ainda os tarefeiros de golpes de mão barata, dão da Póvoa de Varzim a imagem de uma cidade do faroeste, sem xerife!
ENRIQUECIMENTO ILÍCITO

Tem que ser criminalizado o enriquecimento ilícito por parte de todos os que se aproveitam dos cargos públicos que exercem.

A opinião é da líder do PSD, Manuela Ferreira Leite. Sem tibiezas.

A convicção com que declarou aquele firme propósito leva-nos a crer que ela própria, como dirigente partidária do principal partido político da oposição, irá de imediato lixiviar a sua própria casa, começando por mandar apurar os sinais de enriquecimento ilícito nas autarquias PSD.

Pela firmeza com que falou, Manuela Ferreira Leite haveria de querer mostrar a sua raça, passando das palavras aos actos!
ILEGAL, POIS CLARO!

Não tenho dúvidas que o "mamarracho" na Praia Verde é ilegal!

E sendo ilegal, há que apurar:

- qual a base dos argumentos que permitiram a sua aprovação, pelo próprio presidente da Câmara Municipal;
- se as autoridades/entidades que deram o aval ao projecto dispunham de todos os dados e que estes eram correctos;
- se no processo de consulta foi "esquecida" alguma autoridade/entidade competente.

Um dos possíveis argumentos para aprovar o "monstro", ultrapassando a ilegalidade, seria o do inquestionável interesse turístico para a Póvoa.
Se assim fosse, resta saber:

- se tal argumento é, de facto, verdadeiro;
- se serve principalmente para benefício de um particular;
- se se teve em consideração o interesse dos comerciantes da Avenida dos Banhos;
- se a Praia da Póvoa (raínha da Costa Verde) não sai prejudicada.

Como não haverá resposta a estas questões, resta esperar para ver no que isto …