Skip to main content
DESCUBRA AS DIFERENÇAS

Não é propriamente o passatempo que jornais e revistas costumam publicar e que consiste em descobrir umas quantas diferenças entre dois desenhos semelhantes.
Aqui, a questão que se propõe é encontrar diferenças e semelhanças entre duas situações, ambas na área da alta finança e da burla qualificada.
Temos os "bonecos".

Num quadro figura Bernard Madoff; no outro, o figurão é Dias Loureiro, Dr.

O americano apareceu mais recentemente; já se confessou culpado perante o juíz,
e vai ser julgado dentro de muito pouco tempo. Arrisca-se a ser condenado a 150 anos de cadeia, se não estou em erro.
Investigação rápida e decisão pronta!

O português "explicou-se" na televisão, já se contradisse na AR, tem a confiança do PR, e é (continua) Conselheiro de Estado!

De um lado, a refinadíssima falcatrua, de smoking.
Do outro, a corrupção em rede, em lamaçal de barões.

Comments

IN VERITAS said…
Comandante...Não confio em nenhum banqueiro...
Meu pai como muitos outros honestos cidadãos que depositaram quantias em bancos no exterior, viram goradas as suas poupanças...no caso foi em Angola...uns tempos(cerca de um ano?) depois da independência a banca foi toda nacionalizada...( aqui em Portugal também o foi)Há uns tempos face á reclamação efectuada junto do Instituto para a Cooperação Económica , no âmbito do nosso Ministério dos Negócios Estrangeiros, foi-nos informado que o Estado Angolano não houvera ainda desnacionalizado ou descongelado essas contas,a té hoje...Note que essas contas foram congeladas com base na necessidade de Angola-Mpla necessitar do capital para o esforço deguerra...etc.. etc...
neste caso O banqueiro é o próprio estado ou alguém a seu mando...

onde pára essa massa toda?Note que entretanto angola mudou a moeda para Kwanza e subordinou-a á cotação do rublo da união soviética...estando hoje o kwanza ligado directamente ao dolar... ?

E mais...No tempo do Ultramar ( e não falemos do caso alves dos reis..que até parece panaceia..)A moeda que circulava na Guiné angola e moçambique eram cédulas e moeda metálica sob o controle indirecto do banco de portugal , onde supostamente existiriam as reserva de ouro, que lhe serviriam de suporte...Com a descolonização, e a passagem da moeda par as ex-colónias -que assumiram as suas independ~encas.. para onde foram essas reservas de ouro? foram devolvidas ás colónias?Se não... onde estão hoje?
Decidida a independência das antigas colónias - que não está em causa -,não foi claro o processo de transferência de soberania, a que, no conjunto, se chamou descolonização. Neste processo, e particularmente em Angola, cometeram-se muitos erros, os quais teriam que ser corrigidos, mesmo com indesejável atraso.
O importantíssimo aspecto focado por IN VERITAS tem saído da esfera do conhecimento geral, e por isso pouco discutido; atrever-me-ia até a avançar a ideia de que nunca foi considerado com verdadeira consciência nacional, o que deixa uma ferida aberta e incurável naqueles que sofreram tais vicissitudes, e também nos portugueses em geral que, involuntariamente, pactuam com uma situação a todos os títulos inaceitável.
«Em rede», diz bem!

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…