Skip to main content
PRAGAS AUTÁRQUICAS

Pior que a praga dos gafanhotos são as pragas autárquicas. Empresas municipais fazem parte do rol. Em cada dia que passa aparece um caso da doença, ou mesmo mais que um.

Agora sabe-se de Vinhais, como conta o "Público" (17.11.2008): "processos judiciais e denúncias criminosas agitam a vida autárquica"; "a oposição invoca proveitos ilícitos e teia de interesses em volta do presidente da câmara".

O DIAP do Porto investiga: " eventual prática de crimes de prevaricação, peculato e de participação económica em negócio". Os presidentes da câmara e da assembleia municipal poderão perder o mandato", se assim entender o TAF de Mirandela.

Envolvida parece estar também a mulher do presidente da câmara (com quem casou em 2005, e foi então promovida ao cargo de técnica superior); recebe o vencimento da câmara, mas só presta serviço na Associação Nacional de Suínos, que "igualmente a remunera pela realização de acções de formação, tendo pago nestes 3 anos quantias que rondam os 23 mil euros".

Este tipo de pragas ou é uma espécie de vírus que ataca as autarquias (algumas têm as vacinas em dia...) ou há uma espécie de "manual de formação" passado àqueles que querem "bem servir"!

Comments

povoaonline said…
É o Manual Autárquico do Valentim Loureiro, um livro que todos leram, mas nunca ninguém o viu, apesar de já ir na vigésima edição esgotada.
Associação Nacional de Suínos?!

Será que esta técnica superior da câmara trata também (nesta qualidade) do marido?
Para o "povoaonline": o Manual, que cita, vai estar na próxima Feira do Livro da Póvoa (a 3ªmaior do país!), no stand (ou na barraca) da câmara. Êxito de vendas!
Para o "rouxinol de bernardim": o nome da Associação é, de facto, mais comprido, mas por malandrice chamei-lhe apenas isso. E valeu uma grande gargalhada, acredite, porque mais que a minha malandrice foi a muito boa dose de humor que o comentário contém. Boa piada!

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.