Skip to main content
PALAVRAS DE CONFIANÇA

1. No conjunto dos 27 países da União Europeia, Portugal ocupa os últimos lugares em quase todos os indicadores de desenvolvimento. Portugal não é, por isso, um bom exemplo a ser seguido por qualquer dos seus parceiros.
Dependente, em extremo, das circunstâncias externas, as dificuldades têm tendência a aumentar, inevitavelmente. Até o mau tempo pode ser um temível adversário...

2. As consequências da profunda (ou profundíssima) crise financeira nos EUA não são ainda previsíveis. A Europa rica toma, com urgência, as suas precauções, como remedeio de males maiores. O Mundo financeiro treme e a economia assusta-se.

3. O Editorial do "Público" de hoje é elucidativo. Qualquer pessoa que saiba ler, compreende. Sabe-se, todavia, que poucos lêm e muitos não compreendem (é um dos tais indicadores).

4. A Lusa, nas suas notícias de hoje, dá-nos conta que o nosso Primeiro-Ministro desdramatizou quaisquer menos boas perspectivas sobre a actual situação financeira, no que respeita aos portugueses:

"as famílias portuguesas com poupanças podem estar tranquilas, apesar do actual quadro de crise (...)" e elogiou "a capacidade de resistência das instituições financeiras nacionais".

5. Numerosíssimas famílias portuguesas, que já esqueceram o significado de poupança, podem dormir tranquilas. Não há crise!

Comments

Kia ..Kia ..Kia...


essa lembra-me aquela anedota do devedor muito preocupado porque não conseguia dormir pois sabia que não tinha dinheiro para pagar no dia seguinte...Ameio danoite telefona ao credor e diz-lhe que tivesse paciência mas que n ão poderia pagar a dívida na data combinada...desligou o telefone e adormeceu tranquio e profundamente...

Mas o credor, que acordara espantado com o tlefonema do "caloteiro" não conseguiu mais dormir o resto da noite...

moral da estória:

"SER CALOTEIRO E QUE ESTÀ A DAR, desde que não seja ao Estado..."
apedroribeiro said…
A nós, anarquistas individualistas, ver os capitalistas aos papéis dá-nos uma imensa vontade de rir.
A crise, a crise a sério ainda não chegou à vida real.
Mas chegará, disso não tenham dúvidas. Porque os pobres é que pagam a crise - sempre.
Se o optimismo fosse música Sócrates com esta tireada, seria um Pavaroti!!!

Mas antes optimismo que pessimismo doentio!

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…