Skip to main content
PALAVRAS DE CONFIANÇA

1. No conjunto dos 27 países da União Europeia, Portugal ocupa os últimos lugares em quase todos os indicadores de desenvolvimento. Portugal não é, por isso, um bom exemplo a ser seguido por qualquer dos seus parceiros.
Dependente, em extremo, das circunstâncias externas, as dificuldades têm tendência a aumentar, inevitavelmente. Até o mau tempo pode ser um temível adversário...

2. As consequências da profunda (ou profundíssima) crise financeira nos EUA não são ainda previsíveis. A Europa rica toma, com urgência, as suas precauções, como remedeio de males maiores. O Mundo financeiro treme e a economia assusta-se.

3. O Editorial do "Público" de hoje é elucidativo. Qualquer pessoa que saiba ler, compreende. Sabe-se, todavia, que poucos lêm e muitos não compreendem (é um dos tais indicadores).

4. A Lusa, nas suas notícias de hoje, dá-nos conta que o nosso Primeiro-Ministro desdramatizou quaisquer menos boas perspectivas sobre a actual situação financeira, no que respeita aos portugueses:

"as famílias portuguesas com poupanças podem estar tranquilas, apesar do actual quadro de crise (...)" e elogiou "a capacidade de resistência das instituições financeiras nacionais".

5. Numerosíssimas famílias portuguesas, que já esqueceram o significado de poupança, podem dormir tranquilas. Não há crise!

Comments

Kia ..Kia ..Kia...


essa lembra-me aquela anedota do devedor muito preocupado porque não conseguia dormir pois sabia que não tinha dinheiro para pagar no dia seguinte...Ameio danoite telefona ao credor e diz-lhe que tivesse paciência mas que n ão poderia pagar a dívida na data combinada...desligou o telefone e adormeceu tranquio e profundamente...

Mas o credor, que acordara espantado com o tlefonema do "caloteiro" não conseguiu mais dormir o resto da noite...

moral da estória:

"SER CALOTEIRO E QUE ESTÀ A DAR, desde que não seja ao Estado..."
apedroribeiro said…
A nós, anarquistas individualistas, ver os capitalistas aos papéis dá-nos uma imensa vontade de rir.
A crise, a crise a sério ainda não chegou à vida real.
Mas chegará, disso não tenham dúvidas. Porque os pobres é que pagam a crise - sempre.
Se o optimismo fosse música Sócrates com esta tireada, seria um Pavaroti!!!

Mas antes optimismo que pessimismo doentio!

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…