Skip to main content


A PRESSÃO MEDIÁTICA

É com este título que a jornalista Helena Matos apresenta hoje a sua crónica , no "Público". De entre os vários casos considerados, interessou-me um em particular, por referir a Póvoa de Varzim.

"A subserviência ao poder político, em regra muito grande, avoluma-se quando (...) se trata das autonomias e sobretudo do poder autárquico. Neste último domínio, o das autarquias, mesmo casos tão graves quanto a revelação da presença de Legionella pneumophila em instalações desportivas na Póvoa de Varzim, instalações essas frequentadas por crianças, grávidas e onde decorreram provas desportivas, arrastou-se na blogosfera até se tornar finalmente notícia.
Mas esta amorfa mediocridade do jornalismo está longe de se restringir às áreas do poder político."

Pela minha parte, e no que toca ao jornalismo caseiro, entendo que não vale a pena acrescentar ao muito que já se disse: será malhar em ferro frio.
Se insisto no tema é por outra razão: cabe agora (sempre coube) aos poveiros leitores-eleitores saberem ser exigentes na informação correcta, atempada e aprofundada. E, se possível, isenta. Uma atitude semelhante, e sem tibiezas, é requerida em relação aos originadores das notícias ou responsáveis pelos acontecimentos que são notícia, de quem não se esperam silêncios comprometedores ou deturpação das realidades.
Desta forma se poderá melhorar a credibilidade, se ainda existir alguma...

Assim não sendo, continuará a apatia voluntária e o comodismo cúmplice. Iremos, então, de mal a pior!

Comments

Lá vamos bajulando e rindo
Cá sempre foi assim
Não tugindo nem mugindo
Levados levados sim
A verdade omitindo
Pois a vida 'stá ruim
Ao Chefe sempre sorrindo
Pois ele dá o pilim!


E quem assim não fizer
Ainda leva um processo
Seja homem ou mulher
O chefe fica possesso
Se alguém dele maldisser...


Isto não é tirania
É o poder em acção
É esta democracia
Onde há só genuflexão
Ao líder da autarquia
Que exige fé, gratidão,
Quem não seguir esta via
É tratado que nem cão.

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…