Skip to main content
O VALOR DO HOMEM

1. Após 2 anos e meio no executivo camarário, como principal vereador do Partido Socialista, o Arquitecto Silva Garcia renunciou ao seu mandato, no local próprio (uma Reunião Pública de Câmara) e com a justificação frontal e inequívoca, corporizada numa Declaração Política. Esta Declaração, só por si, traduz o que valem os Homens que defendem valores e princípios, e o que nada valem os políticos medíocres.

2. Silva Garcia foi escolhido pelos órgãos do Partido Socialista como candidato à presidência da Câmara Municipal; não foi escolhido por nenhuma influência ou pressão externas. Começou aí a diferença relativamente aos que do serviço público e poder autárquico não têm a verdadeira noção.

3. Os propósitos da candidatura de Silva Garcia exigiam (o próprio os impôs) determinados pressupostos que levariam a uma renovada tomada de consciência política por parte dos cidadãos, e prometiam acabar com o que vinha sendo as más práticas políticas de mandatos sucessivos no governo da autarquia.
Estas duas linhas orientadoras foram mal aceites (ou mesmo não aceites) pelo PSD que, tendo ganho as eleições, tudo fez para eliminar aqueles princípios sem, todavia, apresentar qualquer projecto alternativo. Foi a ideologia do poder pelo poder.

4. E porque a maioria PSD no executivo se negou a conviver democraticamente com os vereadores da oposição, planeou destruir o desempenho do Partido Socialista e o trabalho sério dos seus vereadores, tendo sempre como alvo principal o cabeça de lista, Arq. Silva Garcia. E, neste caso, fê-lo em desavergonhada escalada, chegando ao inconcebível do uso da mentira como sustentação de processo judicial, cuja sentença se conhece e não deixa margem para dúvidas.

5. Com algumas excepções, os poveiros quiseram ou foram levados a ignorar a valiosa acção dos vereadores socialistas; puseram-se à margem da dedicação, da competência e da honestidade do seu líder, Silva Garcia, coadjuvado por semelhante atitude dos seus companheiros; e preferiram, por comodismo ou desconhecimento, aceitar o execrável comportamento da maioria do executivo PSD.
Por isso, uma grande parte dos poveiros tornou-se cúmplice (ainda que mesmo ingenuamente) do atraso que a Póvoa manifesta nas áreas social, económica, cultural e política.

6. Compreendo, por estas razões, a decisão de renúncia do Arq.Silva Garcia, com quem me solidarizo.

7. O PSD poveiro não tem ideologia nem programa credível, e não lhe é conhecida qualquer estratégia política que sirva os interesses da Póvoa. Por via disso, a quase permanente atitude ignóbil dos seus principais agentes é, antes, a palavra de ordem.

8. Na Póvoa de Varzim continua a não se aprofundar e a renovar a Democracia, e a não se valorizar a essência do Poder Local.

Comments

CÁ FICO said…
Lamento que não se alterem ainda nas próximas eleições alegislação do poder local e as limitações de mandatos... Ninguém devia ter mais do que direito a dois mandatos consecutivos... lamento também o que está a acontecer a Narciso Miranda... Ele tem todo o direito a ser recandidato à Câmara de Matozinhos pois tal como os Presidentes da república ejá teve a sua época de "pousio"...
focode said…
o roblema é que na esmagadora maioria das autarquias impera o caciquismo e nenhum partido está disposto a mudar a lei...dá sempre geito controlar alguma coisa; Já agora porque é que o Presidente da Républica só pode fazer dois mandatos e os autarcas eternizam-se no poder ? Porque será ?

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…