Skip to main content
O VALOR DO HOMEM

1. Após 2 anos e meio no executivo camarário, como principal vereador do Partido Socialista, o Arquitecto Silva Garcia renunciou ao seu mandato, no local próprio (uma Reunião Pública de Câmara) e com a justificação frontal e inequívoca, corporizada numa Declaração Política. Esta Declaração, só por si, traduz o que valem os Homens que defendem valores e princípios, e o que nada valem os políticos medíocres.

2. Silva Garcia foi escolhido pelos órgãos do Partido Socialista como candidato à presidência da Câmara Municipal; não foi escolhido por nenhuma influência ou pressão externas. Começou aí a diferença relativamente aos que do serviço público e poder autárquico não têm a verdadeira noção.

3. Os propósitos da candidatura de Silva Garcia exigiam (o próprio os impôs) determinados pressupostos que levariam a uma renovada tomada de consciência política por parte dos cidadãos, e prometiam acabar com o que vinha sendo as más práticas políticas de mandatos sucessivos no governo da autarquia.
Estas duas linhas orientadoras foram mal aceites (ou mesmo não aceites) pelo PSD que, tendo ganho as eleições, tudo fez para eliminar aqueles princípios sem, todavia, apresentar qualquer projecto alternativo. Foi a ideologia do poder pelo poder.

4. E porque a maioria PSD no executivo se negou a conviver democraticamente com os vereadores da oposição, planeou destruir o desempenho do Partido Socialista e o trabalho sério dos seus vereadores, tendo sempre como alvo principal o cabeça de lista, Arq. Silva Garcia. E, neste caso, fê-lo em desavergonhada escalada, chegando ao inconcebível do uso da mentira como sustentação de processo judicial, cuja sentença se conhece e não deixa margem para dúvidas.

5. Com algumas excepções, os poveiros quiseram ou foram levados a ignorar a valiosa acção dos vereadores socialistas; puseram-se à margem da dedicação, da competência e da honestidade do seu líder, Silva Garcia, coadjuvado por semelhante atitude dos seus companheiros; e preferiram, por comodismo ou desconhecimento, aceitar o execrável comportamento da maioria do executivo PSD.
Por isso, uma grande parte dos poveiros tornou-se cúmplice (ainda que mesmo ingenuamente) do atraso que a Póvoa manifesta nas áreas social, económica, cultural e política.

6. Compreendo, por estas razões, a decisão de renúncia do Arq.Silva Garcia, com quem me solidarizo.

7. O PSD poveiro não tem ideologia nem programa credível, e não lhe é conhecida qualquer estratégia política que sirva os interesses da Póvoa. Por via disso, a quase permanente atitude ignóbil dos seus principais agentes é, antes, a palavra de ordem.

8. Na Póvoa de Varzim continua a não se aprofundar e a renovar a Democracia, e a não se valorizar a essência do Poder Local.

Comments

CÁ FICO said…
Lamento que não se alterem ainda nas próximas eleições alegislação do poder local e as limitações de mandatos... Ninguém devia ter mais do que direito a dois mandatos consecutivos... lamento também o que está a acontecer a Narciso Miranda... Ele tem todo o direito a ser recandidato à Câmara de Matozinhos pois tal como os Presidentes da república ejá teve a sua época de "pousio"...
focode said…
o roblema é que na esmagadora maioria das autarquias impera o caciquismo e nenhum partido está disposto a mudar a lei...dá sempre geito controlar alguma coisa; Já agora porque é que o Presidente da Républica só pode fazer dois mandatos e os autarcas eternizam-se no poder ? Porque será ?

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…