Skip to main content

INSEGURANÇA

Na Póvoa de Varzim, as pessoas sentem-se inseguras! Receiam ser vítimas de assaltos, e receiam os assaltos às suas lojas.
É crescente o número de pessoas preocupadas com este fenómeno, que não é exclusivo da nossa cidade (e concelho).

Existe na Autarquia o Conselho Municipal de Segurança (CMS), que tem por objectivo avaliar as situações de segurança e propor medidas que possam debelar a criminalidade, e conferir algum grau de segurança aos cidadãos.
O CMS, criado há um par de anos, reuniu aquando da sua apresentação. Nunca mais! Desde então os assaltos aumentaram, e do CMS nada saiu. O que saiu foram declarações do presidente da Câmara, e também presidente do CMS, a querer dizer que não há azar!
Assaltos?!
Criminalidade?!

Se os comerciantes da Junqueira e da Avenida Mousinho falassem, podiam calar as palavras do senhor presidente . Como isso não acontece, continua tudo na paz que se deseja...

Então o que tem feito o CMS? Tem reunido? Que medidas tem apontado? Que acções foram já tomadas?

Estas questões foram levantadas na última sessão da Assembleia Municipal (AM). Tal como no CMS, parece estar tudo bem...
Ficou-se com a impressão (a certeza) que o presidente da Câmara não se tem preocupado, nem se preocupa, com este problema. É porque não é problema...

Seria bom que os poveiros soubessem que este assunto foi apresentado na AM, mas não o sabem porque não assistiram à reunião (como de costume) e os jornais não falaram na questão, que parece não interessar a ninguém.

Comments

Caro amigo, permita-me que, fundamentada e democraticamente discorde.

A Póvoa é dos locais mais seguros e estáveis:

1- O presidente da câmara está seguro, estável, sem quebras de monta no nível de adesão popular, apesar de tantos e tão graves atropelos que se têm praticado...

2- Algumas empresas continuam a ter
grande estabilidade na confiança que a câmara nelas deposita conseguindo obras atrás de obras...

3- A dívida camarária tem mantido aquela estabilidade que se conhece...

4- O «défice democrático» mantém-se, ou diria melhor, tem-se acentuado...

5- Algumas «oposições» mantêm um comportamento «estável», servindo de «muleta» ao executivo e contribuindo também elas para que não tropece na sua marcha inexorável rumo ao abismo...

Quer mais «estabilidade»?!
Anonymous said…
Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is
Caro "rouxinol de bernardim",
Agradeço o seu comentário e felicito-o pela visão "positiva" da nossa(?) segurança. O que escreve é mesmo uma realidade!
Confesso que não a tinha observado(a segurança)por outro prisma, ou melhor, por outro bordo, o da terra(da nossa). E assim se vê que "isto" é um espanto!

A propósito de (in)segurança:
(1)em Balazar, jóvens puxam das naifas para roubar um carro;
(2)o recente assalto à Câmara da Póvoa foi só fumaça: os gatunos(de fora)julgavam que o cacau grosso estava lá. Principiantes...

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.