Skip to main content

INSEGURANÇA

Na Póvoa de Varzim, as pessoas sentem-se inseguras! Receiam ser vítimas de assaltos, e receiam os assaltos às suas lojas.
É crescente o número de pessoas preocupadas com este fenómeno, que não é exclusivo da nossa cidade (e concelho).

Existe na Autarquia o Conselho Municipal de Segurança (CMS), que tem por objectivo avaliar as situações de segurança e propor medidas que possam debelar a criminalidade, e conferir algum grau de segurança aos cidadãos.
O CMS, criado há um par de anos, reuniu aquando da sua apresentação. Nunca mais! Desde então os assaltos aumentaram, e do CMS nada saiu. O que saiu foram declarações do presidente da Câmara, e também presidente do CMS, a querer dizer que não há azar!
Assaltos?!
Criminalidade?!

Se os comerciantes da Junqueira e da Avenida Mousinho falassem, podiam calar as palavras do senhor presidente . Como isso não acontece, continua tudo na paz que se deseja...

Então o que tem feito o CMS? Tem reunido? Que medidas tem apontado? Que acções foram já tomadas?

Estas questões foram levantadas na última sessão da Assembleia Municipal (AM). Tal como no CMS, parece estar tudo bem...
Ficou-se com a impressão (a certeza) que o presidente da Câmara não se tem preocupado, nem se preocupa, com este problema. É porque não é problema...

Seria bom que os poveiros soubessem que este assunto foi apresentado na AM, mas não o sabem porque não assistiram à reunião (como de costume) e os jornais não falaram na questão, que parece não interessar a ninguém.

Comments

Caro amigo, permita-me que, fundamentada e democraticamente discorde.

A Póvoa é dos locais mais seguros e estáveis:

1- O presidente da câmara está seguro, estável, sem quebras de monta no nível de adesão popular, apesar de tantos e tão graves atropelos que se têm praticado...

2- Algumas empresas continuam a ter
grande estabilidade na confiança que a câmara nelas deposita conseguindo obras atrás de obras...

3- A dívida camarária tem mantido aquela estabilidade que se conhece...

4- O «défice democrático» mantém-se, ou diria melhor, tem-se acentuado...

5- Algumas «oposições» mantêm um comportamento «estável», servindo de «muleta» ao executivo e contribuindo também elas para que não tropece na sua marcha inexorável rumo ao abismo...

Quer mais «estabilidade»?!
adam brown said…
Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is
Caro "rouxinol de bernardim",
Agradeço o seu comentário e felicito-o pela visão "positiva" da nossa(?) segurança. O que escreve é mesmo uma realidade!
Confesso que não a tinha observado(a segurança)por outro prisma, ou melhor, por outro bordo, o da terra(da nossa). E assim se vê que "isto" é um espanto!

A propósito de (in)segurança:
(1)em Balazar, jóvens puxam das naifas para roubar um carro;
(2)o recente assalto à Câmara da Póvoa foi só fumaça: os gatunos(de fora)julgavam que o cacau grosso estava lá. Principiantes...

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…