Skip to main content

CAUDILHOS

A propósito da nova lei eleitoral para as autarquias, que basicamente permitirá ao PS e ao PSD partilharem entre si o poder autárquico, Manuel Carvalho traça (Editorial do "Público", de 19.01.2008) um retrato do que se tem feito nos últimos 30 anos, não antevendo grandes progressos nesta essência da Democracia, se não se corrigirem os erros cometidos.
Considera Manuel Carvalho:
"(...) Uma das principais nódoas do poder local é o caudilhismo dos presidentes, fonte de nepotismo e de corrupção; poderia constatar que a vivência democrática na maior parte dos municípios não existe nem é tolerada pela mentalidade plenipotenciária de muitos autarcas".

Exemplos desta inquestionável verdade não nos tem faltado. Nós, poveiros, não estaremos, certamente, isentos deste tipo de praga.

Completando o lado negro do poder local, diz ainda Manuel Carvalho:
"(...) Se hoje há um perigo real no poder local, não se deve procurá-lo na pretensa instabilidade institucional do modelo em vigor, mas nas perversões do caudilhismo e na claustrofobia da vida partidária, na falta de uma imprensa livre, no domínio dos empregos e da economia ou na ausência de condições para o exercício da oposição eficaz e sistemática".

O pior, penso eu, poderá estar ainda para vir porque, como acrescenta o editorialista, "a maioria garantida por lei só serve para alimentar a vocação de dezenas de tiranetes que pululam no poder local".

É tempo de "arrumar a casa"!

Nem todos os presidentes de câmara serão caudilhos. As excepções serão, por isso, honrosas excepções.

Comments

Este apontamento encaixa na perfeição no outdoor do PND da Madeira sobre Jardim e a «Máfia no bom sentido»!

Uma rede de autênticas «Máfias»
(mas no «bom» sentido...) pulula nalguns locais mais do que noutros.

E o que é mais grave é que quem não for assim («Padrinho» e seus «afilhados» unidos pela OMERTÁ) não tem viabilidade política! Há uma teia de cumplicidades (englobando certos «capos» da justiça, da sotaina e do desporto) que dão aura de credibilidade e «cheiro de santidade» aos «padrinhos» colocando-os nos altares!

Quem ousar pôr a nu este clima é diabolizado pelos usufrutuários do SISTEMA...

Enfim, a «síndrome de Nápoles» omnipresente!
CÁ FICO said…
os presidentes de junta não devem ter direitode voto nas assembleias municipais do mesmo modo que os representantes das organizações populares de base(o orgão de base do poder autárquico)-vulgo comissões debairro- não tem direitode voto nas assembleias de freguesia...

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…