Skip to main content
MORDOMOS

Está de volta, e com mais procura e maior exigência de qualidade, a profissão de mordomo, outrora uma quase instituição inglesa.
Como há cada vez mais ricos, e muito ricos, espalhados por esse mundo, o mordomo de qualificações elevadas passou a ser um acrescento aos quase obscenos sinais exteriores de riqueza daqueles que não sabem o que fazer ao dinheiro.

O currículo que é pedido aos mordomos é exigente, para o desempenho eficaz de tantas "canseiras" dos patrões; os salários e regalias sociais (que incluem planos de reforma) acompanham os padrões.
Ricas vidas! Dos mordomos e dos ricos patrões.

Isto acontece, agora, neste planeta Terra, um pouco por todo o lado.

Nós também temos muitos ricos, alguns riquíssimos.
Se a profissão de mordomo estivesse mais vulgarizada entre nós, oportunidades não faltariam para os milhares de licenciados no desemprego (são pessoas com qualificações).

Também por cá: pobres, somos dois milhões!

Comments

Todos falam nos mordomos e esquecem as esposas deles...

Vi ontem a saír da câmara, a D. Mordomia. Trazia um casaco de peles todo imaculado, ao pescoço uma gargantilha doirada faiscando ao sol, a malinha de mão era de alta qualidade, veio de Paris certamente...

Nos dedos, alguns anéis fulguravam,
opíparos, envergonhando a D. Crise, que, com o carrinho do lixo numa mão e a vassoura na outra, ia contemplando a cena, cabisbaixa e envergonhada...

Julgo que tive um pequeno colapso e desmaiei com a brutalidade deste confronto.
Quando acordei vi um sol forte e pareceu-me ouvir dizer:

__Não, não nasço para todos. Mas espero que mais tarde ou mais cedo surja tal dia... É que as pessoas ainda não abriram os olhos. A culpa não é do sol, mas dos que o tapam com a peneira da corrupção.
CÁ FICO said…
Peneiras,tem todos os politicos em especial os eleitos locais... E o Comandante do Sextante não foge à regra embora a peneira dele esteja na brilhantina que usa para o cabelo (se calhar é Gel...)
tudo tem a ver com aquela coisa Freudiana e da psique socio politica que se chama psicopatia lábil...eh!eh!
Mas o chefe cá do burgo é caso incurável já !!! Eo grande culpado foi quem lhe ensinou a discursar...

ih! Ih!

a todos os eleitos locais, aos não eleitos, aos aspirantes atal e atodos o demais do burgo aquivão as minhas boas festas...tenham todo festas felizesn !!!
CÁ FICO said…
A nova lei das autarquias cozinhada entre a maioria PS e PSD, ainda é pouco limitadora no que consta ao direito de voto do Presidente da Cãmara e dos Presidentes de Junta em causa própria...

Primeiro detudo não sejustifica que um presidente dejunta tenha sequer assento nas assembleias municipais por inerência pois em democracia directa e de sufrágio universal nem sequer foi eleito...quando muito admito que podesse cada freguesia estar representada na assembleia municipal, mas pelo Presidente da respectiva assembleia de freguesia e nunca por um elemento do executivo...é um anacronismo a situação actual...Ora onde já se viu o Governo ter direioto de voto na assembleia da republica se me permites a má comparação?...

esta eoutra situação de hibridez dos poderes deliberativos (assembleias de freguesia e municipais)com ospoderes executivos (camaras municipais e juntas de freguesia)tem de acabar de uma vez por todas sob pena de fomentarmos o compadrio,conluio, conveni~encia e o desrespeito pela vontade popular expressa nas mesas de voto... O Povo não votou em nenhum presidente de Junta para ocupar lugares nas Assembelias Municipais, e alei existente que o permite é uma lei injusta e anacrónica...
CÁ FICO said…
Mário de Sá Peliteiro, às 23:51
Comentários:


como é interessante...
Alguns poveiros eleitos autarcas são pior que os despotas africanos no que toca a "mordomias e nove horas"...
Como diz o povo etem razão: presunção e agua benta cada qualtoma a que quer...
mas é fundamental que percebam que estão na Politica PARA SERVIR O POVO E NÃO PARA SERVIR-SE DELE...
E há muitas maneiras de um autarca se servir do povo ...uuma delas é acumulando funções e não delegar poderes em especial naqueles autarcas que proporcionalmente também foram eleitos pelo povo...Desrespeitar avontade popular é servir-se do povo

# por CÁ FICO : Quarta-feira, Dezembro 19, 2007

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…