Skip to main content
JORNAIS E JORNALISTAS

É urgente que a grande maioria dos nossos profissionais da comunicação social (jornais e rádios) meditem sobre a recente decisão do Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas (CDSJ) referente ao caso "José Rodrigues dos Santos e a RTP", de todos conhecido:

"(...) é um dever ético de qualquer jornalista denunciar pressões e interferências que sobre ele se exerçam por parte de entidades e organizações não jornalísticas".

O CDSJ acrescenta ainda:

"(...) no caso em apreço, e como fez José Rodrigues dos Santos, a denúncia da interferência constitui um dever ético e deontológico".

Percebo as condições em que trabalha a maior parte dos nossos jornalistas: ou fazem como lhes ordenam ou, então, é-lhes indicada a porta da rua, sem explicações. Certo e sabido!

E não terão então, os jornalistas, ninguém que os defenda quando, na tentativa do exercício isento da sua profissão, deixam de cumprir (quase sempre por imposição) as regras do seu próprio código de ética e do código editorial do jornal ou rádio que os emprega?
Têm. Basta atentar na conclusão do CDSJ, ainda a propósito do mesmo caso:

"a instauração de processos disciplinares a jornalistas que denunciam interferências na área editorial ou que invocam a cláusula de consciência visam limitar o direito de participação e de organização dos jornalistas e, dessa forma, limitar os seus direitos, liberdades e garantias constitucionais".

O pequeníssimo poder que por cá lhes dão, e que dele fazem mau uso, a troco de coisa pouca, é efémero e em nada os dignifica.

(ver "Jornalismo e Democracia", de 26 de Junho de 2007, no "sextante poveiro").

Comments

CÁ FICO said…
Sempre existiu, existirá e continuará a existir censura na Imprensa...Só que assume cada vez mais contormos simulados e dissimulados...

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…