Skip to main content
GENTE RICA É OUTRA LOUÇA

A maioria PSD no executivo da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim REPROVOU a proposta dos Vereadores Socialistas para a criação do Cartão Municipal do Idoso, o qual iria permitir aos mais velhos (e carenciados) terem acesso a descontos nos serviços prestados pela Câmara e, eventualmente, por comerciantes.

A maioria PSD teve 15 dias para estudar a proposta; os seus elementos (o presidente da Câmara e mais 5 vereadores) tiveram tempo mais do que suficiente para "espremer as bisnagas" e apresentarem uma alternativa ou uma justificação credível e decente.

A reprovação da proposta dos Socialistas foi lida pelo vereador mais vocacionado para a causa: o do pelouro da Acção Social, Prof. Luís Diamantino. E disse:

"(...) mais não seria que um cartão de carência económica, vulgo atestado de pobreza - algo que, por tão humilhante, deveremos a todo o custo evitar. Aliás a humilhação do idoso começaria logo no processo de atribuição, exigindo-lhe comprovativos de uma situação que, nalguns casos, ele tenta ocultar e, em geral, não é avaliável pela sua situação fiscal". (texto publicado em "O Comércio da Póvoa", em 18.10.2007).

Deixo à consideração dos leitores, dos eleitores, e dos poveiros em geral.

Comments

Um país com dois milhões de pobres
(1/5) da população a ser desprezado com argumentos tao falaciosos como este. "Diamantina" hipocrisia esta! e este pensamento domina a clique dominante! Depois andam a defender os carenciados, os idosos, mas só na campanha ou em vésperas... aí sim, não lhes repugna misturarem-se com essa gente de "baixa extracção social" como diz o Jardim!
CÁ FICO said…
Camaradas...se não fossem os pobres, rotos e nus, muita dessa gente das IPSS e similares, é que era pobre ,rota e nua...
Não sou contra as IPSS mas sou contra terem sido catalogadas como empresas, e um ramo da actividade económica com fins lucrativos...o que permite que alguns (felizmente poucos) se locupletem á custa da migalhas de muitos...

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.