Skip to main content
O VERÃO JÁ FOI ?

Aquilo que havia planeado escrever sobre o nosso Verão 2007 foi, em parte, esvaziado pela acertada crónica de José Andrade, saída no "Póvoa Semanário", de 08.08.2007.
Os dois pontos que referirei a seguir confirmam o que lá se pode ler, e quem tiver alguma noção (ou consciência) das suas responsabilidades, nesta área, que levante o braço.

-Em muitas vilas e cidades do país há, nesta altura, Feiras Medievais, algumas delas temáticas e outras com variantes culturais de relevo (caso de Óbidos). Há, naturalmente, muita repetição; mas o que é certo é que elas chamam gente, muita gente, que fica a conhecer ou a conhecer melhor, as terras visitadas. O comércio desenvolve-se.

Na Póvoa -agora cidade dos eventos- não tivemos uma Feira Medieval, mas tivemos um acontecimento invulgar e, em meu entender, bem melhor: a reconstituição da vida que existiu na Cividade de Terroso!
Soube pelos jornais locais, da sua realização e da forma como tinha decorrido. Tudo depois!
Antes do acontecimento não vi um cartaz sequer, ao longo das grandes vias de acesso à Póvoa (A28, A7 e A3), não vi um anúncio nos jornais nacionais ou um "spot" na televisão; se se tratasse de um torneio de futsal, com nome de vereador, não faltariam penduricalhos nos candeeiros das avenidas...
Teria sido um excelente cartaz turístico, repleto de cultura. Não foi.

-O mesmo semanário promoveu um inquérito para se "saber" se este ano ano o Verão iria ter mais gente. A ideia seria boa se tivesse sido lançada mais cedo (talvez em Março): face aos resultados, os nossos autarcas teriam tempo de garantir ou corrigir as medidas que julgassem acertadas. Assim, com o Verão a meio, de quase nada serviu, a não ser para "pintar" um quadro optimista, de cores vivas: mais gente, comerciantes satisfeitos, hotelaria feliz. Os senhores do poder devem ter ficado agradados com as boas notícias.

O azar é que no dia seguinte saiu outro semanário poveiro, "O Comércio da Póvoa", com uma boa reportagem sobre o mesmo assunto, e baseada nas entrevistas e respostas que lhes deram comerciantes, banheiros, pessoas que alugam quartos e a hotelaria (que manteve a satisfação).
O "quadro" do verão poveiro saiu, aqui, mais realista, isto é, provavelmente mais verdadeiro. Basta comparar.

Perante estes factos, que tipificam uma certa forma de estar na vida, apetece concluir como fez José Andrade: "este já foi um Verão para esquecer".

Comments

Esquecer não!!!
Recordar, para se corrigir o que foi mal feito, compensar com inicitivas capazes de serem foco de atracção (a da cividade de Terroso foi correcta, faltando apenas o marketing...) e minorar os aspectos negativos...
CÁ FICO said…
este Verão ainda vai ser em Setembro...

...com as vindimas.. e o S. Miguel das desfolhadas...

Embora sem milho em Argivai , o Padroeiro é S. MIguel...e o dia dele é 29 de Setembro !!!

Quiçá porque falta Já o miLho laranja.. O seu Presidente da Junta de Argivai, o socialista Adolfo Ribeiro, não engeita a hipótese de se voltar a Candidatar desta feita pelo PS, que é o seu partido biológico e de coração, sendo o psd apenas ama de berço...

por mim apoio a ideia pois como está não pode ficar pior...

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…