Skip to main content
O VERÃO JÁ FOI ?

Aquilo que havia planeado escrever sobre o nosso Verão 2007 foi, em parte, esvaziado pela acertada crónica de José Andrade, saída no "Póvoa Semanário", de 08.08.2007.
Os dois pontos que referirei a seguir confirmam o que lá se pode ler, e quem tiver alguma noção (ou consciência) das suas responsabilidades, nesta área, que levante o braço.

-Em muitas vilas e cidades do país há, nesta altura, Feiras Medievais, algumas delas temáticas e outras com variantes culturais de relevo (caso de Óbidos). Há, naturalmente, muita repetição; mas o que é certo é que elas chamam gente, muita gente, que fica a conhecer ou a conhecer melhor, as terras visitadas. O comércio desenvolve-se.

Na Póvoa -agora cidade dos eventos- não tivemos uma Feira Medieval, mas tivemos um acontecimento invulgar e, em meu entender, bem melhor: a reconstituição da vida que existiu na Cividade de Terroso!
Soube pelos jornais locais, da sua realização e da forma como tinha decorrido. Tudo depois!
Antes do acontecimento não vi um cartaz sequer, ao longo das grandes vias de acesso à Póvoa (A28, A7 e A3), não vi um anúncio nos jornais nacionais ou um "spot" na televisão; se se tratasse de um torneio de futsal, com nome de vereador, não faltariam penduricalhos nos candeeiros das avenidas...
Teria sido um excelente cartaz turístico, repleto de cultura. Não foi.

-O mesmo semanário promoveu um inquérito para se "saber" se este ano ano o Verão iria ter mais gente. A ideia seria boa se tivesse sido lançada mais cedo (talvez em Março): face aos resultados, os nossos autarcas teriam tempo de garantir ou corrigir as medidas que julgassem acertadas. Assim, com o Verão a meio, de quase nada serviu, a não ser para "pintar" um quadro optimista, de cores vivas: mais gente, comerciantes satisfeitos, hotelaria feliz. Os senhores do poder devem ter ficado agradados com as boas notícias.

O azar é que no dia seguinte saiu outro semanário poveiro, "O Comércio da Póvoa", com uma boa reportagem sobre o mesmo assunto, e baseada nas entrevistas e respostas que lhes deram comerciantes, banheiros, pessoas que alugam quartos e a hotelaria (que manteve a satisfação).
O "quadro" do verão poveiro saiu, aqui, mais realista, isto é, provavelmente mais verdadeiro. Basta comparar.

Perante estes factos, que tipificam uma certa forma de estar na vida, apetece concluir como fez José Andrade: "este já foi um Verão para esquecer".

Comments

Esquecer não!!!
Recordar, para se corrigir o que foi mal feito, compensar com inicitivas capazes de serem foco de atracção (a da cividade de Terroso foi correcta, faltando apenas o marketing...) e minorar os aspectos negativos...
CÁ FICO said…
este Verão ainda vai ser em Setembro...

...com as vindimas.. e o S. Miguel das desfolhadas...

Embora sem milho em Argivai , o Padroeiro é S. MIguel...e o dia dele é 29 de Setembro !!!

Quiçá porque falta Já o miLho laranja.. O seu Presidente da Junta de Argivai, o socialista Adolfo Ribeiro, não engeita a hipótese de se voltar a Candidatar desta feita pelo PS, que é o seu partido biológico e de coração, sendo o psd apenas ama de berço...

por mim apoio a ideia pois como está não pode ficar pior...

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…