Skip to main content
NUZINHOS DA SILVA

A praia da Estela é, dizem, óptima para a prática do naturismo, e é frequentada por largas dezenas de pessoas, que creio serem, na sua quase totalidade, turistas.
Acontece que nas últimas semanas os veraneantes naturistas têm sido incomodados por alguns populares daquela freguesia poveira, de acordo com a notícia do "Póvoa Semanário", de 29.08.2007.

O presidente da Junta de Freguesia da Estela, e segundo aquele jornal, "não quer fazer qualquer comentário sobre o diferendo que opõe os naturistas ao grupo de populares". Declarações mais que acertadas, acrescento eu, e outra coisa não seria de esperar. Talvez lá para o Inverno possa haver uma tomada de posição...

Por existir enquadramento legal, o grupo de naturistas diz que já enviou um ofício à C.M.P.Varzim a "solicitar a criação das condições objectivas para a prática naturista". Não houve até agora resposta, mas como só passou ainda uma semana, há que saber esperar, que diabo!
Estes assuntos, de certo melindre, por envolverem preconceitos, exigem ponderação.

Isto não impede, todavia, a curiosidade jornalística de indagar junto do senhor Presidente da Câmara o que é que ele pensa sobre o assunto: é a favor ou é contra?

E como se trata de mais uma nova vertente do Turismo, com a qual a Póvoa de Varzim, raínha da Costa Verde, viria a marcar assinaláveis pontos, o que pensa desta questão o senhor vereador do Turismo? É a favor ou é contra?

Comments

CÁ FICO said…
Pudera! ao preço que estão os fatos de banho...

è a altura de aMaconde recuperar efornecer uma nova linha de fatos debanho para naturistas assim a modos que uma folha de parreira ao estilo adão e eva, desde que côr de Laranja, que o Adelino autarca não gosta de outra côr... eh!eh!
Sr presidente da junta não leve a mal.. viva a sra do ò associação de cultura e desporto sem futebol....

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…