Skip to main content


SEGUNDA ENCENAÇÃO

Depois da palhaçada (reconhecida como infeliz acontecimento e ridícula manifestação) que foi a visita "espontânea" de gente da província a Lisboa, para aclamar o vencedor das intercalares na CML, aconteceu no Centro Cultural de Belém, também em Lisboa e presidida pelo Primeiro Ministro, a demonstração do "Salto Tecnológico" na área da Educação, com a distribuição de computadores.
Esta foi uma segunda encenação (sem comparaçãocom aquela), com transmissão televisa.

" Em 2010 Portugal vai estar incluído no pelotão dos 5 países europeus mais avançados na modernização tecnológica do ensino". Oxalá!
Aposta governamental, no âmbito do Plano Tecnológico para a Educação, por meio do qual "vao ser criadas redes internas e portais para que o contacto e a troca de informações entre professores, alunos e famílias seja cada vez mais feito através da via electrónica"(in Público, de 24.07.2007).
Balelas, digo eu. É que falta o resto... e não é pouco!

Para demonstrar as potencialidades da utilização informática nas aulas, foram recrutadas, para a sessão do CCB, crianças a quem foram pagos 30 euros pela actuação (passaram recibos verdes às crianças?)
Excelente ideia!

Lembro aqui que 30 euros é o valor do Abono de Família que o Estado paga por mês a uma criança que frequenta a escola, e é excelente aluno. Numa família que só conta com o ordenado mínimo nacional, os 30 euros do abono mensal, não chegando para quase nada, não dariam nunca para pagar a prestação do computador que essa criança...não tem!

Comments

CÁ FICO said…
E por acaso já viu ao preçoque a internet custa na modalidade wireless, ou seja internet sem fios?

muito mais de 50 euros mês...


penso que o Governo sequer internet para todos que obrigue os servidores afornecer ligações online . analógicas ou adsl,ou até wireless a no máximo 5 euros por mês sem limites de downloadfs ou de uso de ligação,,,
Caro comandante:

Tenho que reconhecer que ainda não se adaptou a realidade hodierna, ao politicamente correcto, enfim, precisa de uma "reciclagem" cívica...

Conhece o provérbio "Se Maomé não vai à montanha vai a montanha a Maomé!"?

Foi a aplicação prática desse princípio, a ida a Lisboa dos "montanheses". Já fartinhos de irem ao santuário de Fátima venerar a Virgem, optaram por outro trajecto: ir ao Terreiro do Paço "venerar" o vencedor da guerra alfacinha!

Há que diversificar!
CÁ FICO said…
ROUXINOL

qual politicamente correcto qual o kÊ..veja alei 23/2207 que autoriza o governo amudar as custas judiciais eoutras... na prática impossibilitando o uso de tribunais para fazer valer direitos a quem tiver menos condições económicas..ou seja que não tem dinheiro e levou na "tromba" ou chega imediatamente a acordo com o seu agressor (mediação penal ou corre o risco de ter que pagar tudo...incluindo as despesas de tratamento hospitalar agora agravadas com as taxas moderadoras...
é por essas epor outras que " as Charruas" pedem indemnizações churudas quando são apeadas do úberé da nação...
Caro "rouxinol":
É bem verdade: aprender até morrer!
Às vezes não queremos acreditar no que ouvimos ou vemos. Tenho mesmo que me "reciclar"; será a Lipor boa ideia?

Pois é, caro "cá fico", talvez alguns putos passem o computador (se o receberem) a patacos, porque a Mãe (agora técnica de limpeza, mulher a dias antes do salto tecnológico) não ganha para pagar a internet...
Mas atenção: sou a favor das novas tecnologias, sem qualquer dúvida, mas quero que primeiro (ou, vá lá, em paralelo) se resolvam todos os outros problemas associados, nomeadamente os de carácter social.

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…