Skip to main content


FORÇA E ABUSO DO PODER



Madeleine Albright foi a Secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros dos EUA, na Administração Clinton.



No seu livro de memórias, diz ela que "a força da América é indispensável, mas não pode resolver tudo só por si; só com alianças se podem ultrapassar os problemas do Século XXI".



Estou de acordo que o diálogo e as alianças são essenciais para se alcançarem os melhores resultados, desde que estes sejam os que mais interessam ao bem comum.



Imaginemos alguém que queira fazer uso da força que detém (económica ou política), e decide a seu bel-prazer levar acabo a satisfação das suas ambições; sem querer ouvir quem tem opinião diferente, e talvez melhor; furtando-se sistematicamente ao diálogo.

Não tenho dúvidas: esse alguém será propenso à categoria de ditador.

Comments

Bem observado e bem escolhida a citação.

É aqui que está o cerne do problema actual, a nível da "nova ordem"...

Não se fala na ONU, fala-se apenas nas alianças. A ONU foi "esvaziada".
É o conceito de "polícia do universo" (com que os USA se assumem) que está a dar cabo das relações internacionais. São então as... "ralações internacionais"!!!
CÁ FICO said…
SE.... Jonas Savimbi não tivesse publicado livros
Se Jonas Savimbi não tivesse publicado “Angola a resistência em busca de uma nova nação”, não saberíamos hoje que segundo ele: “ O MPLA é um movimento que em Angola nunca criou raízes entre a população e nunca as há-de criar. O apoio do povo não se improvisa. O apoio do povo gera-se, cria-se através de uma comunicação perfeita entre a filosofia política e a vivência real das populações e através do sofrimento compartilhado entre os dirigentes e o seu próprio povo” ..retomando a questão do êxodo dos brancos, quero dizer que, no meu entender, ele não foi ocasionado pela sucessão dos acontecimentos ou pela falta de tempo par a educação das massas. Foi deliberadamente precipitado por Rosa Coutinho, que sabia bem que a única coisa que faltava ao MPLA ,nessa altura, para poder aguentar a administração, eram os brancos, que não tinham contudo nenhuma simpatia por aquele Partido. Por isso Rosa Coutinho fomentou atrocidades contra os brancos, para que eles se precipitassem para os portos e aeroportos e para os seus carros – em direcção ao Sudoeste Africano- deixando um vácuo que só o Mpla poderia preencher, graças ao envio apressado de Lisboa de quadros do Partido Comunista Português para reforçarem a sua posição. Foi essa a razão fundamental do êxodo dos brancos. Habituados á acalmia colonial, os brancos não conseguiram encontrar o equilíbrio para tentar resistir. A guerra de libertação decorrera nas zonas pouco povoadas por eles, no Leste do país, na fronteira com o Zaire, e na fronteira entre Cabinda e o Congo-Brazzaville. As zonas mais povoadas depopulação de origem europeia tinham ficado ao abrigo da luta armada”. “ houve quem me perguntasse o que se teria passado se a população europeia tivesse ficado em massa em Angola ao lado da UNITA. Penso que nada se teria passado, que a luta teria continuado. Não creio que os cubanos não avançassem por esse facto. Pelo contrário. Interessar-se-iam por fazer propaganda entre essas populações...” “Alguns brancos ficaram em Angola, nas zonas da Unita. Nas aldeias e nas Forças Armadas. Não sefala deles porque são do mais simples: são na sua maior parte analfabetos; são aqueles que realmente se identificaram com Angola e ao mesmo nível que a maioria da população local...Mas porque são de condição social inferior, ninguém, lá fora, se interessa pelos seus actos de coragem, de identificação à Causa angolana.
SE“ o mais velho não tivesse passado a escrito o seu pensamento” podia-se tentar alterar o seu sentido das palavras e dos actos... mas porque o fez, ninguémpode por na sua boca palavras que ele nunca disse...
Podia chamar-se racista a quem fala assim? Pode acusar-se a Unita de racista quando era o movimento independentista em quem os brancos mais confiavam? A Unita é hoje mais racista do que o­ntem o foi?
Foi a Unita quem mais lutou pela pluriracialidade da condição angolana, embora essa pareça ter sido amais importante batalha que perdeu, porque tardiamente iniciada.!!!

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…