Skip to main content
OS BURROS

Não são bem conhecidas as verdadeiras razões que levaram J.A. de M., em tempos que já lá vão, a dirigir-se ao superior hierárquico da Ordem dos Bernardos, em termos pouco comuns e nada respeitosos. Sendo uma missiva violenta, de protesto, tudo leva a crer que o Geral dos Bernardos teria feito asneira grossa, infringindo seriamente alguns dos princípios que a ordem monasticamente respeita, e tantos que eles são.
É muito provável que o referido superior tenha abusado da sua posição ou feito favores a alguém, não sendo merecedor, desviando-se escandalosamente das normas de conduta que são preceito daquela comunidade religiosa.
Sem outras conjecturas e essenciais investigações, leia-se a carta endereçada a Sua Reverendíssima, tal qual nos foi dada a conhecer:

" Ao Geral dos Bernardos

DEDICATÓRIA

Nunca a matéria tratada, e os mecenas a quem ela se dedica, tiveram e conservaram entre si tanta semelhança e analogia quanta se encontra e se conserva entre os heróis deste poema depois de transformados em burros, e Vossa Reverendíssima que Deus guarde.
Sempre o mundo sentiu e conheceu que dizer burro e dizer frade bernardo era dizer uma e mesma coisa, e corresponde a uma e mesma ideia; pois se ser frade bernardo é ser burro, quanto mais o deve ser Vossa Reverendíssima que é seu geral? Medraram muito à sua sombra estes seus jumentos, e os cuidados paternais de Vossa Reverendíssima o mais perfeito, alentado, seguro, inflexível e empertigado modelo, como é bem de presumir do papudo e glutinoso pasto que Vossa Reverendíssima lhes costuma dar nos seus dois exemplaríssimos serralhos de Coz e de Odivelas. A igualdade das manhas, a identidade do juízo que entre eles e Vossa Reverendíssima se encontra, os farão viver com Vossa Reverendíssima em perfeita harmonia. Existirão todos na mesma estrebaria, participarão da mesma ração, atirarão os mesmos couces, zurrarão uníssonos, e darão, se puderem, os mesmos pinotes.
Eu me aplaudo da escolha do mecenas, e Vossa Reverendíssima se deve também lisonjear porque eu tinha muito por onde escolher; mas não quis, nem outro escudo, nem outra protecção para os meus burros.
A semelhança é causa de amor, unem-se naturalmente as partículas homogéneas, e vivem sempre em paz os animais brutos da mesma espécie. Para não aturdir as felpudas e esguias orelhas de Vossa Reverendíssima com a palavra "força centrípeta", ainda que muito fora da esfera jumental; porque nada quer dizer, eu me servirei de outra mais clara e mais sentida por Vossa Reverendíssima. Os meus burros ficarão simpaticamente unidos a Vossa Reverendíssima com a mesma arreata, cobrirá a todos uma mesma albarda, e bambolearão nas nádegas de todos os meus atafais.
O mundo aplaudirá a escolha, e ao mesmo tempo se arredará, vendo passar os meus burros com o geral dos Bernardos à sua frente; e assim mesmo desviado, e fora do alcance da garupa, não deixará de dizer cheio de satisfação: "Aí vai a Comunidade com o seu prelado". Para formar o encómio das burricais qualidades de Vossa Reverendíssima, desejara ter as frases e o juízo alvar dum quinhentista, ou dum padre Fóios. Mas destituído de tudo, só me fica a sinceridade de lhe dizer, sem ofensa da sua religiosa modéstia, e sem encher a sua manjedoura do retraço abominável da lisonja, que Vossa Reverendíssima não só é um pedaço de asno, mas uma conhecida besta, um burro acabadíssimo, e perfeitíssimo jumento, de quem se protesta,

Sincero tangedor,

J.A. DE M. "


Neste caso foram os simpáticos burros chamados a servirem de referência para quem teve um comportamento menos próprio; poderiam ter sido os camelos, por exemplo, se os tempos fossem outros e a gravidae dos atropelos cometidos fossem diferentes.
Escolhidos foram os burros.
Fiquemo-nos, pois, com os burros.

Comments

CÁ FICO said…
os burros estão fora de moda... foram todos substituidos por mulas e cavalos castrados para subirem o Sameiro em Braga... segundo ouvi dizer a alguém que por lá turistou recentemente...
SE CALHAS OS BURROS POR SEREM DEMASIDA INTELIGENTES NÃO QUEREM SER CONFUNDIDOS COM OS ESPERTOS...
Ó comndante, cuidado!

Isso não será piada para os "Bernardos" de cá?

A "Ordem" é muito grande e eles são solidários. As retaliações acontecem... quando menos se espera. Falo por mim.

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…