Skip to main content
OS BURROS

Não são bem conhecidas as verdadeiras razões que levaram J.A. de M., em tempos que já lá vão, a dirigir-se ao superior hierárquico da Ordem dos Bernardos, em termos pouco comuns e nada respeitosos. Sendo uma missiva violenta, de protesto, tudo leva a crer que o Geral dos Bernardos teria feito asneira grossa, infringindo seriamente alguns dos princípios que a ordem monasticamente respeita, e tantos que eles são.
É muito provável que o referido superior tenha abusado da sua posição ou feito favores a alguém, não sendo merecedor, desviando-se escandalosamente das normas de conduta que são preceito daquela comunidade religiosa.
Sem outras conjecturas e essenciais investigações, leia-se a carta endereçada a Sua Reverendíssima, tal qual nos foi dada a conhecer:

" Ao Geral dos Bernardos

DEDICATÓRIA

Nunca a matéria tratada, e os mecenas a quem ela se dedica, tiveram e conservaram entre si tanta semelhança e analogia quanta se encontra e se conserva entre os heróis deste poema depois de transformados em burros, e Vossa Reverendíssima que Deus guarde.
Sempre o mundo sentiu e conheceu que dizer burro e dizer frade bernardo era dizer uma e mesma coisa, e corresponde a uma e mesma ideia; pois se ser frade bernardo é ser burro, quanto mais o deve ser Vossa Reverendíssima que é seu geral? Medraram muito à sua sombra estes seus jumentos, e os cuidados paternais de Vossa Reverendíssima o mais perfeito, alentado, seguro, inflexível e empertigado modelo, como é bem de presumir do papudo e glutinoso pasto que Vossa Reverendíssima lhes costuma dar nos seus dois exemplaríssimos serralhos de Coz e de Odivelas. A igualdade das manhas, a identidade do juízo que entre eles e Vossa Reverendíssima se encontra, os farão viver com Vossa Reverendíssima em perfeita harmonia. Existirão todos na mesma estrebaria, participarão da mesma ração, atirarão os mesmos couces, zurrarão uníssonos, e darão, se puderem, os mesmos pinotes.
Eu me aplaudo da escolha do mecenas, e Vossa Reverendíssima se deve também lisonjear porque eu tinha muito por onde escolher; mas não quis, nem outro escudo, nem outra protecção para os meus burros.
A semelhança é causa de amor, unem-se naturalmente as partículas homogéneas, e vivem sempre em paz os animais brutos da mesma espécie. Para não aturdir as felpudas e esguias orelhas de Vossa Reverendíssima com a palavra "força centrípeta", ainda que muito fora da esfera jumental; porque nada quer dizer, eu me servirei de outra mais clara e mais sentida por Vossa Reverendíssima. Os meus burros ficarão simpaticamente unidos a Vossa Reverendíssima com a mesma arreata, cobrirá a todos uma mesma albarda, e bambolearão nas nádegas de todos os meus atafais.
O mundo aplaudirá a escolha, e ao mesmo tempo se arredará, vendo passar os meus burros com o geral dos Bernardos à sua frente; e assim mesmo desviado, e fora do alcance da garupa, não deixará de dizer cheio de satisfação: "Aí vai a Comunidade com o seu prelado". Para formar o encómio das burricais qualidades de Vossa Reverendíssima, desejara ter as frases e o juízo alvar dum quinhentista, ou dum padre Fóios. Mas destituído de tudo, só me fica a sinceridade de lhe dizer, sem ofensa da sua religiosa modéstia, e sem encher a sua manjedoura do retraço abominável da lisonja, que Vossa Reverendíssima não só é um pedaço de asno, mas uma conhecida besta, um burro acabadíssimo, e perfeitíssimo jumento, de quem se protesta,

Sincero tangedor,

J.A. DE M. "


Neste caso foram os simpáticos burros chamados a servirem de referência para quem teve um comportamento menos próprio; poderiam ter sido os camelos, por exemplo, se os tempos fossem outros e a gravidae dos atropelos cometidos fossem diferentes.
Escolhidos foram os burros.
Fiquemo-nos, pois, com os burros.

Comments

CÁ FICO said…
os burros estão fora de moda... foram todos substituidos por mulas e cavalos castrados para subirem o Sameiro em Braga... segundo ouvi dizer a alguém que por lá turistou recentemente...
SE CALHAS OS BURROS POR SEREM DEMASIDA INTELIGENTES NÃO QUEREM SER CONFUNDIDOS COM OS ESPERTOS...
Ó comndante, cuidado!

Isso não será piada para os "Bernardos" de cá?

A "Ordem" é muito grande e eles são solidários. As retaliações acontecem... quando menos se espera. Falo por mim.

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…