Skip to main content
O ARQUITECTO DAS CIDADES

"Tento fazer sempre a ligação entre a Qualidade da Arquitectura e a Qualidade de Vida", afirmou numa entrevista à NEWSWEEK (4 de Junho, 2007), o famoso arquitecto britânico Richard Rogers, que acaba de ser galardoado com o prestigiado prémio Pritzker Architecture Prize.
Richard Rogers, que em 1971, e em parceria com Renzo Piano, venceu o concurso para a edificação do Centro Pompidou, à frente de 680 concorrentes, sempre considerou que as cidades desempenham um papel muito importante na nossa sociedade. Por isso, logo no início do governo de Tony Blair, foi convidado para presidir a um Grupo de Trabalho de Urbanismo, com vista a examinar o estado das cidades inglesas; desse trabalho resultaram 105 recomendações que constituiram a base da política de desenvolvimentourbano inglês, com relevo para a harmonia das construções, o ambiente e bons sistemas de transportes públicos.
Richard Rogers é actualmente o principal assessor do Presidente da Câmara de Londres, o qual lhe pediu, como linha orientadora, que pusesse em prática as recomendações que antes havia apresentado ao Governo.
O arquitecto é de opinião que se deve fazer com que as cidades sejam mais "amigas" das pessoas, e que se considere a relação entre os carros e as pessoas, dando sempre prioridade às pessoas, o que significa a exigência de transportes públicos.

Nós, na Póvoa de Varzim, precisamos com urgência de ter apenas uma "sombra" do talento de Richard Rogers para aconselhar a Autarquia poveira a considerar os transportes públicos como um factor determinante no desenvolvimento da cidade e na qualidade de vida dos seus cidadãos e, de passagem, aconselhar também no desenvolvimento harmonioso do urbanismo poveiro.

Comments

CÁ 70 said…
Não obstante, o Presidente Vieira vem dizer que o PS é retrógrado por se opor à construção deste gigantesco parque subterrâneo, numa cidade de ruas apertadas, sobreviventes de um tempo onde se andava a pé e agora esmagada pelo excesso de veículos: 512 por mil habitantes, segundo o INE, muito acima da média europeia.

Não chegarei ao absurdo de Miguel Esteves Cardoso quando diz que “os subterrâneos são ideais para subterrâqueos”. Mas, o Parque subterrâneo da Avenida não passa de um capricho megalómano de alguém que apenas se preocupa com a mercearia das placas de inauguração.
Se os outros são retrógrados, que adjectivo merece quem manda executar uma obra que é contrária aos principais instrumentos de gestão do território – Plano Estratégico e PDM - que mandou elaborar, aprovou e girandolou publicamente como o que de melhor se fazia em Portugal?

Ora, se o Presidente Vieira é a mais elevada expressão local da vanguarda urbanística, por fazer um grande parque subterrâneo no centro da cidade, enquanto continua a repudiar a criação de uma moderna, confortável e eficiente rede de transportes públicos, talvez Richard Rogers não passe, afinal, de um arquitecto retrógrado!
É certo e seguro que Richard Rogers não será convidado para a inauguração tiroliró do parque subterrâneo!
Se cá viesse, por altura da macelandiana festa, seria uma desfaçatez!

Extractos do artigo "A mudez pela nudez"

J.J.Silva Garcia
Aquilo que Richard Rogers diz é uma verdade de La Palisse! Toda a gente medianamente informada sabe que as cidades devam ser "amigas" dos cidadãos, mau era se o não fossem...

Agora como traduzir essa "afectividade"? Como dar corpo a essa ânsia de "humanizar" (grosso modo) as cidades?

Preciso é retirar-lhe o potencial gerador de factores poluentes ambientais, manter os níveis de "oxigenação" eventualmente existentes, coarctar os efeitos nocivos ao nível de poluição sonora e de congestionamento de tráfego como condições "sine qua non" para um ambiente mais saudável e uma qualidade de vida digna de uma cidade a sério.

Mas, a Av Mouzinho, com todo o cortejo de indicadores anti-ambientais que ao actual perfil irão associar-se, indelevelmente, é um paradigma de negatividade, um exemplo a não seguir.

Mas, para Macedo Vieira (e todo um séquito que vislumbra no seu mesquinho horizonte apenas o desafio eleitoralista e não outros patamares mais elevados...) isto é que "está certo"! Isto é a "quinta essência" , o "supra-sumo" da mestria orgânica e funcional!...

"L'État c'est moi!" elevado ao clímax do nonsense!...

Cogitando lá com os seus botões dirá: "Este Richard Rogers poderá ser bom arquitecto, poderá estar na élite da classe, mas... nunca soube o que é ganhar eleições, nunca soube o que era satisfazer clientelas, não conhece os meandros da baixa política"...
CÁ FICO said…
ca 70

troda a gente sabe que o rei vai nu na questão dop parque subterraneo da av. mouzinho...
daqui por uns anitos todos vão dizer que aquele parque está ás moscas...

só que agora poucos a não ser os socialistas tem a copragem de dizer ao rei que ele está realmente nu ..quando arauta inaugurações e outras iguarias...

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…