Skip to main content
JORNALISMO E DEMOCRACIA

No artigo de opinião saído hoje no "Público" (26.06.2007), da autoria do jornalista José Vítor Malheiros, a que deu o título "O Político e o Cidadão", pode ler-se no seu começo: "Os cidadãos têm o direito de inquirir sobre os actos do primeiro-ministro. E têm o direito de sondar o seu carácter - em tudo o que seja a tradução pública desse carácter. E os "media" têm a obrigação deontológica, passe o pleonasmo, de o fazer, por muito que isso custe aos visados e aos próprios "media".

O artigo é exemplar por duas razões principais: analisa o comportamento dos assessores do primeiro-ministro quanto à recusa em darem informações ( em causa estava o processo movido contra o autor do blog Do Portugal Profundo), e a confusão gerada pela junção e disjunção (conforme as conveniências) das duas figuras reunidas na mesma pessoa (o político e o cidadão).

Um quadro semelhante já tem sido referenciado entre nós, e não seria mau de todo que se reflectisse um pouco sobre cada caso conhecido: as suas causas, os seus percursos e os seus efeitos. E particularmente quando envolve pessoas autoritárias e que não suportam críticas.

Uma outra lição retiro-a do referido artigo: a frontalidade do jornalista Vitor Malheiros em apresentar sem receio e com clareza uma opinião que mexe com o poder.

Com atitudes deste cariz os jornalistas (e os jornais) ganham credibilidade e a Democracia sai reforçada.

Comments

CÁ FICO said…
Os do PSD ..lenta e desesperadamente andam a tentar curar-se do cinzentismo que impuseram aos poveiros cujo expoente máximo da negatividade é o cemitério novo...Eh!eh!

Nando pelo menos é policromático !!!
Esse assunto é uma carapuça que serve a alguns caciques locais e não só.
Qualquer adjectivo, usado por ironia, com bonomia até, é considerado um insulto, um enxovalho pelos tais "intocáveis".
Se forem esses"senhores" a usarem linguagem desbragada, nada lhes acontece, ninguém lhes toca. Os tribunais têm dois pesos e duas medidas.
Não sei se é verdade o que disse o Dr José Luís Saldanha Sanches, (que há magistrados 'capturados' pelo poder local , "ipsis verbis"...), mas, ao vermos certa dualidade de critérios, achamos que algo vai mal.

Veja-se a linguagem de Jardim. Alguém lhe toca?

Qualquer cidadão comum pode ser insultado, enxovalhado pelos poderosos que nem vale a pena ir a tribunal, já sabe que a queixa vai ser arquivada, ou então as investigações caem em saco roto...
Pois é. Os jornalistas saem credibilizados... o Sócrates é que não, e muito menos os seus acessores, logo tudo somado, a democracia sai fragilizada. Mas isso não lhe interessa falar...

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…