Skip to main content
O SHOPPING

Noticia o "Público" de hoje, 11 de Maio, que o presidente da câmara poveira diz "haver vários investidores interessados em construir um shopping na cidade". Acrescenta ainda o autarca "que a edilidade está a estudar um pedido de uma empresa que pretende instalar o centro junto ao hospital, um terreno camarário onde funcionou um parque de estacionamento" (terreno da antiga cadeia).
Segundo o presidente, "esse seria um «bom local» para a edificação do shopping, já que ficaria numa zona que precisa de ter animação" (ficará colado ao hospital...), "e teria bem perto um parque de estacionamento subterrâneo".
Está justificada, em grande parte, a necessidade (?) da obra do regime! Falta saber é se os futuros clientes do shopping (é fino dizer shopping...) terão estacionamento gratuito.
Parece estar, assim, confirmado: "a Póvoa de Varzim é, a seguir a Lisboa e Porto, a cidade com maior investimento".

Comments

A Póvoa, caro comandante, está saturada de lojas e lojinhas a fazerem desesperar tudo e todos. Há lojas que não têm viabilidade económica. Agora, existe uma maneira de aproveitar melhor essse espaço, com visão estratégica e com olhos de futuro.

Como sabe, a insegurança vai aumentando, sobretudo no tocante a ourivesarias e afins. Já ninguém faz seguro contra roubo porque as seguradoras recusam. Há cidades que concentram as ourivesarias e similares em locais próprios, com alta segurança e onde o risco é quase nulo pois há polícia no local e medidas de excepção em caso de assalto. Este local seria o embrião de lojas deste tipo. Claro que seria vendido a preço muito superior ao normal dados os custos de infraestrutura e de manutenção.
Farmácias (algumas), joalharias, relojoarias e afins, poderiam instalar-se aqui e gozar de uma segurança fora do comum, podendo prescindir até do seguro.

Isto já existe nalguns países mais atreitos a criminalidade violenta. Por que não começar a construír a Póvoa com olhos de futuro?

Espero que a câmara aproveite a sugestão. Não vai a reboque de ninguém pois isto não é ideia original minha mas limito-me a dar a dica pois é comum nos grandes centros...

COPIAR NÃO É UM DEFEITO, É APENAS COLHER OS ENSINAMENTOS DA EXPERIÊNCIA.
CÁ FICO said…
Baratas - 1 x Traças - 0
Caríssimo Cá Fico:

Fiquei perplexo com o seu comentário! Será que "transplantou" conceitos (metáforas?) de outras paragens?

Ocorre-me agora uma analogia com o que se passou na América no tempo de Bill Clinton. Conta-se que uma "traça" estava a atacar os móveis na Casa Branca! deram o nome de "traça clinton"!...

Consta que tinha uma preferência por "comer" secretárias!...

Será essa "traça" que está a infestar o areópago da praça do Almada?!
Tudo se resume, afinal, a uma questão simples mas essencial: a GESTÃO da "cidade". Consoante as mudanças dos tempos, há que Renovar, Reordenar e Reinventar, para se alcançar o progresso da "cidade" e o bem-estar da população. Os eleitos que não tenham estes objectivos como empenho não cumprem a sua missão, objectivos esses que deviam constar nos seus programas eleitorais; os eleitores teriam, nesse caso, o dever e o direito de exigirem responsabilidades.
A sugestão(ou sugestões) deixadas por "rouxinol de bernardim" são mais do que pertinentes. O "arranjo" proposto(que nós conhecemos de tantas cidades e há tantos anos, por esse mundo fora) são o exemplo da sua importância e vantagens; bastaria copiar ou adaptar, com a participação generalizada e indispensável, já que se trata de uma tarefa complexa(mas aliciante).
Todavia, os anos passam e o que se altera é no sentido negativo; tudo porque mais do que ter em conta a GESTÃO da "cidade" tem-se em conta os interesses próprios e não os da sociedade que se serve.
CÁ FICO said…
rouxinol.. essa do clinton e da traça, ou do traço até que tem pinta.. mas então o resultado seria~~
barata tonta o - traça 1

...........
continua no próximo episódio...
....................

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…