Skip to main content
UMA CÂMARA EDIFICANTE!

A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim (CMPV) vai construir um Centro Comercial e Habitações no espaço que até agora serviu de parque de estacionamento gratuito, e se situa nos terrenos da antiga cadeia, junto ao Hospital.
A importância de tal parque , pela sua elevada utilização (mormente por pessoas que visitam internados no hospital), não necessita de qualquer justificação. A sua requalificaçãopoderia muito bem servir os interesses generalizados dos poveiros, se houvesse boas intenções (desinteressadas intenções).
A nova edificação NÃO consta do Plano de Urbanização (PU) aprovado. Repito: NÃO consta! E, assim sendo, será legítimo perguntar-se: já vale tudo?
O autarca presidente da Câmara, segundo os jornais, afirmou que a Câmara (a "sua" Câmara, acrescento eu) está ainda a estudar a urbanística mais adequada ao projecto, incluindo a volumetria do complexo. Simplesmente admirável!
A CMPV virou-se agora, abertamente, para a construção civil, e envolve-se na construção de centros comerciais e de habitações (serão habitações sociais, tão necessárias que são?).
Vale a pena reler o texto escrito por Macedo Vieira, presidente da CMPV, no folheto do PU posto à disposição do público, no período de 11 de Dezembro 2002 a 06 de Março 2003. Está lá, bem clara, a "verdade" nua e crua: afinal, todo aquele discurso não era para levar a sério!

Comments

joe said…
caro amigo.
é com enorme satisfaçao que vejo um artigo que vem a ideia daquilo que eu acho em relaçao a antiga cadeia. esta cmpv em vez de se preocupar com outras coisas mais importantes que criar centros comerciais e dou um exemplo que é o do famoso centro tecnologico em aver-o-mar e aí sim iria-se criar postos de trabalho fixos ao contrario daquilo que se vai passar com esse centro comercialzeco. Na minha maneira de ver acho que vai ser mais um do genero do super ok, ou seja, espaço enorme com muitas lojas vazias. como poveiro que sou tenho pena que esta cmpv ande a enganar os poveiros e so ande a fazer obras megalomanas e puramente a pensar para daqui a 3 anos e meio...qero-lhe dar os parabens pelo excelente blog.
abraço
jt
Isto faz parte de uma estratégia: "O SALTO EM FRENTE!"
Sabendo que será o ULTIMO MANDATO, o regime procura "encher-se", catando oportunidades como o fazem os símios (quem já leu "O Zoo humano" de Desmond Morris, sabe do que falo...). É o "salve-se quem puder", o "fartar vilanagem", na mais pura acepção dos termos.
Saltitando à volta do poder, há toda uma fauna conhecida que vai desde o "testa de ferro" até ao "pagador de luvas" que querem o enriquecimento rápido. É o "vale tudo". Planeamneto urbano, racionalidade económica, saturação de mercado, prioridades sociais, são conceitos estranhos a mentes obnubiladas pelo vil metal. A sociedade, o bem estar colectivo, o interesse público, são conceitos a que são totalmente alheios pois norteiam-se pelo LUCRO FÁCIL e imediato para uma reduzida clique que ciranda à volta do círculo restrito do poder.

Resumindo e concluindo:
Não é de estranhar isto. Está em linha com uma estratégia de ambição de grupo, está conforme ao espírito de ganância e de exploração desenfreada que norteia os desalmados homens ao leme da lancha.
Deus lhes perdoe... pois não sabem o mal que fazem...
apedroribeiro said…
A Câmara da Póvoa promove o consumismo e o lucro fácil dos amigos. Quando é que cai?
Maresia poveira said…
Sobre este assunto, convém referir que também há o interesse do Presidente da Assembleia Municipal de da família Arriscado antigo presidente da Câmara, pois segundo parece os terrenos destes senhores vão valer uma pipa de massa.
Portanto o que temos, é protestar sobre os negócios obscuros desta câmara na totalidade e se possível impôr medidas para que este CC não seja construído.
apedroribeiro said…
Estes merdas da Câmara têm de cair de vez!
FGL/PSSL

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…