Skip to main content
UMA CÂMARA EDIFICANTE!

A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim (CMPV) vai construir um Centro Comercial e Habitações no espaço que até agora serviu de parque de estacionamento gratuito, e se situa nos terrenos da antiga cadeia, junto ao Hospital.
A importância de tal parque , pela sua elevada utilização (mormente por pessoas que visitam internados no hospital), não necessita de qualquer justificação. A sua requalificaçãopoderia muito bem servir os interesses generalizados dos poveiros, se houvesse boas intenções (desinteressadas intenções).
A nova edificação NÃO consta do Plano de Urbanização (PU) aprovado. Repito: NÃO consta! E, assim sendo, será legítimo perguntar-se: já vale tudo?
O autarca presidente da Câmara, segundo os jornais, afirmou que a Câmara (a "sua" Câmara, acrescento eu) está ainda a estudar a urbanística mais adequada ao projecto, incluindo a volumetria do complexo. Simplesmente admirável!
A CMPV virou-se agora, abertamente, para a construção civil, e envolve-se na construção de centros comerciais e de habitações (serão habitações sociais, tão necessárias que são?).
Vale a pena reler o texto escrito por Macedo Vieira, presidente da CMPV, no folheto do PU posto à disposição do público, no período de 11 de Dezembro 2002 a 06 de Março 2003. Está lá, bem clara, a "verdade" nua e crua: afinal, todo aquele discurso não era para levar a sério!

Comments

joe said…
caro amigo.
é com enorme satisfaçao que vejo um artigo que vem a ideia daquilo que eu acho em relaçao a antiga cadeia. esta cmpv em vez de se preocupar com outras coisas mais importantes que criar centros comerciais e dou um exemplo que é o do famoso centro tecnologico em aver-o-mar e aí sim iria-se criar postos de trabalho fixos ao contrario daquilo que se vai passar com esse centro comercialzeco. Na minha maneira de ver acho que vai ser mais um do genero do super ok, ou seja, espaço enorme com muitas lojas vazias. como poveiro que sou tenho pena que esta cmpv ande a enganar os poveiros e so ande a fazer obras megalomanas e puramente a pensar para daqui a 3 anos e meio...qero-lhe dar os parabens pelo excelente blog.
abraço
jt
Isto faz parte de uma estratégia: "O SALTO EM FRENTE!"
Sabendo que será o ULTIMO MANDATO, o regime procura "encher-se", catando oportunidades como o fazem os símios (quem já leu "O Zoo humano" de Desmond Morris, sabe do que falo...). É o "salve-se quem puder", o "fartar vilanagem", na mais pura acepção dos termos.
Saltitando à volta do poder, há toda uma fauna conhecida que vai desde o "testa de ferro" até ao "pagador de luvas" que querem o enriquecimento rápido. É o "vale tudo". Planeamneto urbano, racionalidade económica, saturação de mercado, prioridades sociais, são conceitos estranhos a mentes obnubiladas pelo vil metal. A sociedade, o bem estar colectivo, o interesse público, são conceitos a que são totalmente alheios pois norteiam-se pelo LUCRO FÁCIL e imediato para uma reduzida clique que ciranda à volta do círculo restrito do poder.

Resumindo e concluindo:
Não é de estranhar isto. Está em linha com uma estratégia de ambição de grupo, está conforme ao espírito de ganância e de exploração desenfreada que norteia os desalmados homens ao leme da lancha.
Deus lhes perdoe... pois não sabem o mal que fazem...
apedroribeiro said…
A Câmara da Póvoa promove o consumismo e o lucro fácil dos amigos. Quando é que cai?
Maresia poveira said…
Sobre este assunto, convém referir que também há o interesse do Presidente da Assembleia Municipal de da família Arriscado antigo presidente da Câmara, pois segundo parece os terrenos destes senhores vão valer uma pipa de massa.
Portanto o que temos, é protestar sobre os negócios obscuros desta câmara na totalidade e se possível impôr medidas para que este CC não seja construído.
apedroribeiro said…
Estes merdas da Câmara têm de cair de vez!
FGL/PSSL

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…